Agro ataca governo argentino: “Danos ao Campo”
CI
Imagem: Pixabay
GUERRA DECLARADA?

Agro ataca governo argentino: “Danos ao Campo”

CRA lançou campanha nas redes sociais expondo todos os pontos negativos
Por: -Leonardo Gottems

A entidade mais representativa do setor produtivo rural, as Confederações Rurais Argentinas (CRA) partiu para o ataque contra o governo Alberto Fernández. Os dirigentes alistaram os “danos ao campo” causados pelos peronistas, acusando de “feriram a democracia, os valores e o setor agroindustrial em 2020”.

A CRA lançou campanha nas redes sociais expondo todos os pontos negativos da agenda agrícola e a série de atos governamentais que prejudicaram o único setor produtivo argentino que sustentou o país no ano mais difícil da história recente. Confira: 

    • Destruição de silobolsas. Mais de 150 ocorrências, todas sem solução ou condenação pública.
      
    • Queima intencional de campos produtivos sem resolução ou pronunciamento das autoridades.
      
    • Várias usurpações de terras sem definições ou condenações públicas por parte das autoridades.
      
    • Ausência do Ministério [da Agricultura] em emergências climáticas graves: atrasados, ruim e apenas em face de reclamações formais e da mídia.
      
    • Promulgação da Lei de Zonas Úmidas sem critérios ou definições com base científica.
      
    • Insegurança rural com casos de lesões e assassinatos de produtores.
      
    • Incêndios florestais intencionais sem condenação, resolução ou reparação.
      
    • Ataques a propriedades rurais privadas, incluindo a tomada de reféns.
      
    • Política errática e falaciosa em relação a direitos de exportação.
      
    • Falta de definições de uma política agrícola séria e crível.
      
    • Participação de funcionários nacionais na usurpação de terras sem consequências ou medidas subsequentes sobre sua conduta.
      
    • Lei de manejo do fogo em terras rurais sem embasamento técnico e com restrições inconstitucionais.
      
    • Imposto sobre bens patrimoniais (mal denominado Riqueza) com dupla e tripla tributação.
      
    • Aumento excessivo de combustível (principal insumo da atividade agrícola).
      
    • Tentativas repetidas de expropriar agroindústrias privadas emblemáticas por meio de procedimentos ilegais.
      
    • Incapacidade de cumprir a fracassada Mesa da Argentina Contra a Fome.
      
    • Atraso de mais de um ano para o reembolso de parte das retenções feitas a pequenos produtores como compromisso assumido com o setor.
      
    • Ausência de política leiteira.
      
    • Restrições ao tráfego com perda de vidas, trabalho e animais.
 


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink