Agronegócio recua mais que Ibovespa
CI
Agronegócio

Agronegócio recua mais que Ibovespa

Por:

Os investidores que apostaram nas empresas do agronegócio com capital aberto perderam mais que o Ibovespa desde o dia 30 de junho. Levantamento feito pelo Centro de Informações da Gazeta Mercantil e pela Economática, mostra que até o dia 21 deste mês, o índice Bovespa teve uma queda de 13,9%. Já a média das 24 empresas do agronegócio com capital aberto na Bolsa analisadas perderam 17,6% no período. Especialistas apontam que a queda nos preços das commodities nos últimos meses mudaram as perspectivas em torno do setor foram e foram um dos fatores que derrubaram os preços dos papéis no período.

As ações ON da Brasil Ecodiesel lideraram a queda entre as empresas analisadas, com as cotações recuando de R$ 4,11 para R$ 1,83 (55,4%). A explicação pode estar nos problemas em torno do programa brasileiro de biodiesel que não estão remunerando muito bem. "Mesmo com o recuo das commodities, o custo com matéria ainda é alto. Por isso, a empresa só vai operar com vendas no limite para cobrir custos fixos", avalia Denílson Duarte, chefe de investimento do Máxima Asset. Ele explica que a competição é intensa no setor e esses indicativos acabam despertrando a desconfiança de investidores.

Em segundo lugar, a Laep, empresa que controla marcas como Parmalat e Paulista, tece uma queda de 43,61% no período, saindo de R$ 2,66 para R$ 1,50. Os papéis da companhia tiveram um forte recuo após a divulgação do último balanço, onde o aumento do custo com matérias-primas e a dificuldade em repassá-los reduziram a margem de lucro explica Luciana Leocádio, analista da Ativa Corretora. "A maioria das empresas que atuam no setor de lácteos e carnes tiveram problemas por causa do aumento nos custos. Principalmente as que são mais expostas ao mercado brasileiro", avalia. É o caso da Marfrig (-14,2%) e do Minerva (-10,5%), que não possuem grande atuação no exterior como o JBS (-15,1%).

"O JBS teve a maior perda porque vinha muito valorizado e por causa dos custos com mate´ria-prima e as últimas aquisições. Os que estão mais presentes por aqui sofreram muito com o embargo da União Européia.", disse a analista. Ela explica que a Perdigão, que caiu 7,2%, sentiu mais a pressão dos custos dos lácteos por causa da aquisição da Eleva no ano passado. "Mas de maneira geral todo o setor de carnes e lácteos foi fraco".
No caso das agrícolas, a SLCagrícola, que liderou a rentabilidade no setor durate o primeiro semestre caiu 23,9% no período analisado, de R$ 32,00 para R$ 24,35. "Isso ocorreu porque os principais produtos que a empresa trabalha como soja e milho caíram muito nos últimos meses. Isso gera uma certa insegurança entre os investidores". disse.

Entre as sucroalcooleiras, os papéis da açúcar Guarani caíram 33,3%, de R$ 10,09 para R$ 6,73. O problema apontado foi a queda nos preços do açúcar que diminuiu a expectativa.


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink

Usamos cookies para armazenar informações sobre como você usa o site para tornar sua experiência personalizada. Leia os nossos Termos de Uso e a Privacidade.