Água interfere diretamente na pecuária
CME MILHO (DEZ/20) US$ 3,650 (0,50%)
| Dólar (compra) R$ 5,55 (0,74%)

Imagem: Divulgação

RESULTADOS

Água interfere diretamente na pecuária

Insumo básico faz a diferença nos resultados finais da fazenda
Por: -Eliza Maliszewski
923 acessos

A água é um insumo básico para qualquer ser vivo e na pecuária não é diferente. Ela interfere no fator produtivo e desempenho do rebanho. Por isso deve ter sua qualidade observada tanto a pasto quanto em confinamento.

O zootecnista e supervisor Técnico da Connan, Bruno Marson, explica que o bovino pode perder 100% de sua gordura corporal ou até 50% de seu tecido muscular, que ainda se mantém vivo, mas se perder de 10 a 12% do volume de água do corpo pode chegar a óbito, gerando grandes prejuízos.

A condição da água pode afetar negativamente o crescimento, a reprodução ou a produtividade dos animais. O especialista destaca que um estudo mostrou que as fontes de água não podem estar distantes dos animais porque a cada distância percorrida as perdas são maiores. Após 500 metros da fonte de água, a cada 1km de acréscimo na caminhada, os animais podem deixar de ganhar, diariamente, 40g/km em terrenos planos; 53 g/km em espaços com leves ondulações e até 60g/km em campos ondulados. “Essas perdas impactam diretamente os resultados dos índices de ganho médio diário do rebanho e, consequentemente, o lucro final da propriedade”, ressalta.

Os animais também preferem bebedouros a lagos pela melhor qualidade da água. O criador deve observar que as fontes de lagos geralmente apresentam contaminação por fezes de animais, fazendo com que reduzam o consumo. Ingerindo menos água o bovino também passa a consumir menos matéria seca, tendo desempenho menor. “ O bovino consegue perceber a contaminação da água em percentuais a partir de 0,05 mg/l, quando passa a buscar outra fonte de água. A partir de 2,5 mg/l, já pode-se perceber uma redução no consumo de água e, com índices acima de 5 mg/l, o animal passa a consumir menos pasto, suplemento e ração”, diz Marson.

A dica do especialista é instalar diversos bebedouros espalhados pela propriedade, de acordo com o sistema de produção e a viabilidade. Além disso, é recomendado que se mantenha uma frequência de limpeza bem estabelecida. Em um sistema de confinamento, por exemplo, em que o bebedouro é a única fonte de água, essa limpeza deve ser feita ao menos duas vezes por semana, já que os animais possuem uma dieta mais farelada e a lotação é maior.“A água é um fator produtivo, assim como a genética, a nutrição e o manejo de pastagem e, por isso, interfere em muito nos resultados finais da propriedade.”, finaliza. 
 


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink