Ainda não falta milho no mercado paranaense

Agronegócio

Ainda não falta milho no mercado paranaense

Maior produtor brasileiro de milho, o PR ainda não está numa situação desconfortável em relação ao abastecimento para consumo próprio
Por:
148 acessos

Maior produtor brasileiro de milho - com uma produção total de 14 milhões de toneladas na safra 2006/2007 - e de frango, com um 1abate previsto de 2,24 milhões de toneladas em 2007, o Paraná ainda não está numa situação desconfortável em relação ao abastecimento de milho para seu consumo próprio. Da safra total paranaense, o consumo interno é de 8 milhões de toneladas. A previsão para as exportações é de até 5 milhões de toneladas. E, ainda, para socorrer o estado vizinho, mais 1 milhão de toneladas está sendo enviada para Santa Catarina.

"Nós acreditamos não haver problema com o abastecimento de milho porque ainda há muito estoque nas mãos dos produtores e das cooperativas. A oferta maior se dá porque a produtividade da safrinha superou as expectativas", diz Domingos Martins, presidente do Sindiavipar - Sindicato das Indústrias dos Produtos Avícolas do Paraná.

Para ele, o que está acontecendo "é um jogo de especulação no mercado em que se procura empurrar para cima o preço do grão". A perspectiva é a de que o Brasil exporte 11 milhões de toneladas. Se ficar neste número certamente não haverá falta do produto", garante ele. "Nós estamos sentindo essa alta artificial nos preços e vamos procurar minimizar isso nos próximos dias", disse.

Representantes do Sindiavipar e da Unifrango irão ao Paraguai na semana que vem com a intenção de comprar pelo menos 50 mil toneladas ou mais para diminuir a especulação e a escalada no preço. "Já fizemos isso em anos anteriores e a região de Guairá tem muito milho para vender ao Brasil", acrescenta. "Agora, se todo mundo vier buscar milho no Paraná podem acontecer complicadores mas o produtor sempre vai preferir vender o produto no nosso mercado pela ausência ou frete reduzido, o que garante o abastecimento. Acho que chegamos no ponto em que o mercado interno valoriza mais o milho do que se ele fosse exportado", conclui.


Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink