Álcool pode deixar de valer a pena

Agronegócio

Álcool pode deixar de valer a pena

Nas duas últimas semanas, o reajuste dos valores pagos por distribuidoras às usinas soma 9,56%
Por: -Juan Velásquez
8 acessos

Segundo levantamento Cepea/Esalq, na última semana de 2006, poucas usinas paulistas estiveram ativas no mercado, mas a demanda se mostrou relativamente aquecida segundo a o Cepea. O resultado foi novamente uma alta nos preços de 10% acumulado nas últimas duas semanas, depois de três meses e meio de estabilidade nos preços. O Indicador Cepea/Esalq semanal do álcool hidratado para o estado de São Paulo foi de R$ 0,84299/litro entre 26 e 29 de dezembro, aumento de 4,6% sobre a semana anterior.

Nas duas últimas semanas, o reajuste dos valores pagos por distribuidoras às usinas soma 9,56%. Estes reajustes são relativos ao álcool hidratado, que é usado em motres flex e também à alcool. Já o álcool anidro, que atualmenet é misturado à gasolina em 23%, teve reajuste de apenas 1,3% na última semana, acumulando alta de 1,62% na quinzena.

De acordo com o executivo da Unica, os estoques de alcool das usinas garantem o abastecimento até que a entressafra termine. "No início de março já teremos usinas moendo cana da safra nova e pensamos que não será preciso usar esta safra nova para garantir o abastecimento de abril. Ainda devermos ter estoques", diz.

Ele afirma também, o que pode ocorrer, a exemplo do início de 2006 quando houve disparada nos preços em janeiro porém uma queda de 35% na demanda entre fevereiro e março, é o álcool chegar a valor correspondente ao de 70% do preço da gasolina. A partir deste limite a gasolina passa a ser mais vantajosa devido a sua maior rentabilidade no motor.

Para o analista da RC Consutores Fábio Silveira o álcool hoje está em 51% do preço da gasolina. Estamos abaixo dos cerca de 55% que estávamos nesta mesma época de 2006. Segundo ele, é pouco provável que cheguemos a este nível até o final da entressafra. "Os preços do álcool podem subir em janeiro e também em fevereiro que pelas nossas projeções não devem chegar aos 70%", diz.

Mais rentável:

O álcool hidratado (misturado com água) esteve na última semana 2% mas rentável - custos de produção versus o preço final do produto - do que o álcool anidro. Isso é raro de ocorrer já que este último é misturado á gasolina e portanto segue o mercado da mesma. "Estamos presenciando mudanças no perfil de consumo dentro do mercado doméstico", diz a analista do Cepea Marta Cristina Marjotta-Maistro.

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink