Alta do frete compromete exportação do milho de Mato Grosso

Agronegócio

Alta do frete compromete exportação do milho de Mato Grosso

Por:
1 acessos

Se os embarques brasileiros de milho estão praticamente inviabilizados, ganha espaço a possibilidade de importações perante a valorização cambial. Na primeira semana de fevereiro, os custos de importação ficaram abaixo de R$ 20 CIF indústria. Dependendo da alta dos fretes neste primeiro semestre, pelo menos uma região do país poderá caminhar no sentido das compras de milho argentino, ou seja, o Nordeste. Esta região hoje se abastece basicamente nos leilões de PEP oferecidos pelo governo. Mas, isto é viável diante de uma condição de prêmio + frete acessível.

A alta dos fretes no primeiro semestre pode comprometer este fluxo de produto de Goiás e Mato Grosso com destino ao Nordeste. Em outras palavras, pode ser mais viável importar milho da Argentina do que trazer o produto do Centro-Oeste para o Nordeste.

Esta não é ainda a situação para o Sul e Sudeste, mesmo porque a chegada da colheita favorece uma acomodação dos preços internos abaixo dos custos de importação. Esta situação poderá ser viável em caso de uma safrinha muito pequena devido à queda de área e produção neste ano.


Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink