Alta em preços de hortigranjeiros deve se manter no 1º trimestre, diz Conab
CI
Agronegócio

Alta em preços de hortigranjeiros deve se manter no 1º trimestre, diz Conab

Importação de cebola teve aumento de cerca de 80%, em relação a 2014
Por:

A alta de preços dos produtos hortigranjeiros sentida no final do ano passado deve se manter no primeiro trimestre de 2016. As fortes chuvas e as altas temperaturas registradas nos últimos meses foram fatores determinantes para a queda da qualidade na oferta de hortaliças nas principais Centrais de Abastecimento (Ceasas) do país.

A Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) divulgou nessa terça-feira (26.01) o 1º Boletim Prohort de Comercialização de Hortigranjeiros nas Ceasas em 2016. O estudo analisa os preços de comercialização no atacado em dezembro do ano passado.

De acordo com Erick de Brito Farias, gerente de Modernização do Mercado Hortigranjeiro da Conab, a alta do dólar contribuiu para o aumento de preços para o consumidor final. A moeda americana tem impacto direto, porque aumenta os custos de produção, dos insumo agrícolas e do transporte. O custo da produção é diretamente atrelado ao dólar.

A importação de cebola, por exemplo, se comparada com 2014, teve um aumento de aproximadamente 80%. Com uma menor oferta nacional do produto, 12 mil toneladas foram importadas, apenas em dezembro de 2015. A cebola nacional, consequentemente, teve seu preço aumentado para competir com o produto estrangeiro. Segundo Erick de Brito Farias, nos mercados atacadistas, houve um aumento de 15% no preço do produto.

No caso das frutas e hortaliças, houve uma redução significativa na oferta de tomate, cebola e batata. Erick explica que, com o forte calor que prevaleceu nos meses de setembro e outubro, muitos produtos ficaram maduros mais rápido e foram colhidos antes do esperado. Consequentemente, nos últimos meses do ano, houve uma queda na oferta. “Hoje, nos mercados, o tomate está verde, pois os produtores tiveram que colher antes da hora para repor o produto. E isso encarece o preço, tanto pelo custo de produção quanto pela pouca oferta”, afirmou.

As questões climáticas também influenciaram na redução da oferta de frutas, como ocorreu com a banana e a maçã. O excesso de chuvas nas principais regiões produtoras prejudicou a produtividade e acarretou a diminuição da área cultivada das frutas. A banana é produzida, em maior parte, nos estados de São Paulo, Minas Gerias e Santa Catarina. Já a maçã, de Santa Catarina e Rio Grande do Sul.

A exportação de frutas, entre 2014 e 2015, teve um aumento de 16,5%. Foram mais de 854 mil toneladas de frutas exportadas no ano passado. Cenoura, alface, tomate e batata seguiram o comportamento dos demais hortigranjeiros, registrando alta de preços na maioria dos mercados pesquisados.

O levantamento é feito nos mercados atacadistas, por meio do Programa Brasileiro de Modernização do Mercado Hortigranjeiro (Prohort), executado pela Conab, e considera a maioria dos entrepostos localizados nos estados de São Paulo, Minas Gerais, Rio de Janeiro, Espírito Santo, Paraná, Goiás e no Ceará.


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink

Usamos cookies para armazenar informações sobre como você usa o site para tornar sua experiência personalizada. Leia os nossos Termos de Uso e a Privacidade.