Amapá se estrutura para escoar produção recorde de soja em 2014

Agronegócio

Amapá se estrutura para escoar produção recorde de soja em 2014

Levantamento do IBGE prevê aumento de 253,96% na produção do grão
Por:
2809 acessos

Receba Notícias como esta por email

Cadastre-se e receba nossos conteúdos gratuitamente
Obrigado por se cadastrar
  • Enviamos a você um email de boas vindas para ativação de seu cadastro.
Levantamento do IBGE prevê aumento de 253,96% na produção do grão. Produção de soja é 'novidade' no setor rural do Amapá

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) estima para 2014 produção recorde de soja no Amapá. O último Levantamento Sistemático da Produção Agrícola do IBGE, divulgado no final do mês de junho, prevê aumento de 253,96% na produção do grão, o equivalente a 45,6 mil toneladas acima da safra passada, que foi de 12,9 mil.


Dados do IBGE mostram, ainda, que esse aumento se deu em função do salto na área plantada. Enquanto em 2013, a soja foi colhida numa área de 4.528 hectares tendo como rendimento médio 2.850 toneladas por hectare, resultando numa produção de 12.906 toneladas; em 2014, a projeção sobe para 15.825 hectares plantados, com previsão de rendimento médio de 2.887 toneladas por hectare. Isso significa um aumento também na produtividade para 45.682 toneladas por hectare, segundo o instituto.

Conforme projeção da Cooperativa dos Produtores Agrícolas do Cerrado Amapaense (Coopac), a tendência é de crescimento a cada ano da produção de soja no Amapá – uma novidade no setor rural do Estado, descoberto recentemente por médios produtores vindos de outras regiões do país, entre gaúchos, paranaenses, mineiros e mato-grossenses. Esse, aliás, foi um dos motivos que levou à criação da Cooperativa na década de 2000, para recepcionar e orientar os interessados em se fixar no Estado.

Pelas contas da Coopac, dos cerca de 50 cooperados, pouco mais da metade já se encontra instalada do Amapá e os demais estão se preparando para plantar grãos no Estado. Isso também explica o aumento na produção de outros cultivos como arroz, feijão (caupi) e milho, também registrado pelo IBGE.


Última fronteira agrícola

“O Amapá foi descoberto como a última fronteira agrícola do Brasil para desafogar as rotas que existem, atualmente, para escoamento de grãos ao mercado local e internacional”, explicou o presidente da Coopac, Tobias Laurindo, um paranaense que atua como produtor rural há mais de 20 anos no Amapá.

Laurindo, que também é economista, prevê que, se o cenário que se apresenta continuar se desenvolvendo, num período de 10 anos, o agronegócio poderá atingir 10% do Produto Interno Bruto (PIB) do Estado. Atualmente, o setor primário alcança 4% do PIB amapaense.

“A exemplo do que aconteceu em outras regiões do país, já existem casos, no Amapá, de pessoas migrando para o interior e se fixando lá por causa dos postos de trabalho que estão sendo gerados que se dividem em temporários, permanentes e indiretos”, relatou o presidente da Coopac, depois de enumerar o que os produtores rurais necessitam para continuar a produção de grãos no Estado: asfaltamento de estradas, liberação de licenças ambientais e regularização fundiária.


Criada exclusivamente para o transporte e logística de grãos no Amapá por investidores do Estado de Mato Grosso, a empresa Companhia Norte de Navegação e Portos (Cianport) já recebeu autorização da Secretaria Nacional de Portos para instalar um Terminal de Uso Privado (TUP) no município de Santana, onde está localizado o porto amapaense de onde pretende exportar a soja.

A empresa também constrói um terminal graneleiro numa área concedida dentro da Companhia Docas de Santana (CDSA). Nessa primeira fase de instalação da Cianport, estão sendo gerados 72 empregos, sendo que 95% dessa mão de obra são do Amapá, segundo a empresa. Com previsão de término para outubro de 2014, a obra consiste na construção de três silos com capacidade de armazenar 18 mil toneladas de grãos, cada.

com informações da Agência Amapá
Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink