Amazonas inaugura seu segundo abatedouro de suínos

Suínos

Amazonas inaugura seu segundo abatedouro de suínos

Unidade tem capacidade inicial para abater 100 animais por dia e deve diminuir a dependência da importação de carne suína da região Sul
Por:
125 acessos

Receba Notícias como esta por email

Cadastre-se e receba nossos conteúdos gratuitamente

Na última segunda-feira (07/01) foi inaugurado o segundo abatedouro de suínos no Amazonas. A expectativa é que com a nova planta abra-se um novo caminho para o agronegócio no Estado e a possibilidade de surgimento de uma nova matriz econômica. O novo local realizará o corte de suínos de todo o Estado e vai diminuir a dependência da importação de carne suína da região Sul do País.

O abatedouro terá capacidade de abater, inicialmente, 100 animais por dia para comercialização. O primeiro matadouro de suínos do Estado foi inaugurado em 2011 somente para o corte de carnes da fazenda Bela Vista em Rio Preto da Eva, distante 79 km da capital. Presente à inauguração, o governador Wilson Lima (PSC) prometeu desenvolver o setor primário e garantir incentivos à produção de grãos no Estado, principal insumo da suinocultura.

“Temos um potencial muito grande, gente qualificada e empresários dispostos a investir. Então, por que a gente não faz? Respeitando a questão ambiental e promovendo o desenvolvimento sustentável vamos dar os incentivos necessários para que isso ocorra. No momento em que se tem grãos, facilita a ração para suinocultura, avicultura e piscicultura”, afirmou.

Segundo o presidente da Agência de Defesa Agropecuária e Florestal do Amazonas (Adaf), Alexandre Araújo, o rebanho suíno do Estado é formado por 38 mil animais concentrados nos municípios da região metropolitana e em Apuí, a 408 km da capital. Conforme Araújo, 99% da carne suína consumida no Estado é originária de Santa Catarina.

“O criador tendo a estrutura para abater, ele vai ter a segurança de planejar a sua criação. Vai fomentar toda a cadeia produtiva de suínos no Estado, principalmente, da produção que deve ser incentivada criando uma nova matriz econômica dentro do setor primário e, assim, diminuindo a importação de outras regiões do Brasil”, avalia. Entre as dificuldades no setor primário, apontadas pelo titular da Adaf, está a logística, com a necessidade de melhor infraestrutura nas vicinais e ramais, e a facilidade de acesso ao crédito rural.

Segundo o proprietário do abatedouro, Felisberto Sarkis, a propriedade irá abater suínos de todo o Estado. Ele estima a geração de 20 mil novos empregos na zona rural de Manaus: “O abatedouro já gerou 25 empregos diretos e do Estado vai passar de 60 mil novos empregos. As pessoas vão voltar a ser criador de suíno de novo. Imagina mandar R$90 milhões para o pessoal produzir em Rondônia e no Rio Grande do Sul gerando empregos e nós aqui?”. Conforme o diretor administrativo do abatedouro, Michel Ribeiro, fica a critério do produtor rural realizar a própria comercialização ou concluir o processo de venda no próprio abate.

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink