Análise de dados prevê ameaças climáticas
CI
Imagem: Pixabay
TECNOLOGIA

Análise de dados prevê ameaças climáticas

“A empresa fez um inventário de efeito de gás estufa, análise de riscos climático e a partir daí a gente fez uma coleta de ações"
Por: -Leonardo Gottems

Algumas prefeituras brasileiras, clientes da Way Carbon, estão investindo em tecnologias de analytics  voltadas para sustentabilidade, gestão de ativos ambientais e desenvolvimento de estratégias de ecoeficiência. As informações foram divulgadas pelo It Fórum.

“A empresa fez um inventário de efeito de gás estufa, análise de riscos climático e a partir daí a gente fez uma coleta de ações com a sociedade civil e outras secretarias. A partir disso, fizemos uma proposta de ações. Existe um momento de diagnósticos e depois as ações que a cidade tem que fazer até 2049 para se adaptar as mudanças do clima e para diminuir a emissão de gases na cidade”, explica Daniela Guarieiro, atual consultora sênior da FGV mas, que na época respondia como gerente de resiliência da Prefeitura de Salvador e estava à frente do projeto.

De acordo com Daniela, os dados que foram coletados acabaram sendo o inventário mais completo que já tinha sido feito na cidade. “A análise de riscos climáticos foi importante para entender de forma geolocalizada os riscos que a cidade tem. Se a gente não tivesse feito esse trabalho em um curto período de tempo (permitido pelo uso da consultoria) e com expertise, não teríamos acesso a determinados estudos”, diz.

“Nós partimos da combinação de diferentes camadas geoespecializadas que dizem respeito à variabilidade climática, modelos e cenários do IPCC (Intergovernmental Panel on Climate Change, na sigla em inglês), combinamos com outra camada chamada de exposição (o que está exposto a determinado risco) e, nessa exposição, é importante saber a exata localização e outras variáveis (que entendemos como sensibilidade que pode favorecer a ocorrência do risco) e a capacidade de resposta. A análise funciona como uma álgebra de mapas – a gente tem a equação, temos alguns algoritmos que desenvolvemos principalmente nessas ameaças e chegamos no score de risco”, revela Melina Amoni, gerente de risco climático e adaptação da WayCarbon.


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink

Usamos cookies para armazenar informações sobre como você usa o site para tornar sua experiência personalizada. Leia os nossos Termos de Uso e a Privacidade.