Análise Pecuária: Preservação ambiental não restringe produção leiteira
CI
Agronegócio

Análise Pecuária: Preservação ambiental não restringe produção leiteira

Em muitas propriedades a produção de leite não é a principal atividade econômica
Por:

*Marco Aurélio Bergamaschi

O agronegócio brasileiro vem evoluindo de forma surpreendente nas últimas décadas, permitindo ao país galgar espaço no mercado mundial.

Somos os maiores produtores e exportadores de café, de açúcar e de suco de laranja e os maiores exportadores de carne de frango, de soja, de tabaco e de etanol.

São setores do agronegócio brasileiro com alta tecnologia, gestão, produtividade e qualidade do produto final.

Essa tendência não é diferente na pecuária de leite. Mas ainda utilizamos extensas áreas de pastagens nativas. Somado a isso, em muitas propriedades a produção de leite não é a principal atividade econômica.

O bovino sempre foi utilizado para ocupar o espaço que não é usado pela agricultura. Assim, o produtor possui uma vaquinha para leite ou um boizinho para carne.

Em decorrência dessas condições e do baixo nível tecnológico, a produtividade média é baixa, com reflexos negativos sobre a renda dos produtores.

Com a expansão da agricultura nacional, os concorrentes da pecuária de leite não são somente os países exportadores, como os da União Europeia, a Nova Zelândia ou a Argentina.

Aparecem nesse cenário, no Brasil, as culturas de grãos e da cana-de-açúcar avançando sobre áreas de pastagens pouco produtivas e degradadas.

Na última década, ocorreram inúmeras liquidações de rebanhos leiteiros, principalmente no Estado de São Paulo. Na época, houve a preocupação no setor de que haveria redução da produção leiteira. Mas o que ocorreu foi a migração do leite para regiões até então não tradicionais, como o Centro-Oeste e parte do Norte.

Felizmente, a evolução da bovinocultura de leite não é horizontal, por meio da incorporação de áreas agrícolas ou pela derrubada de matas, mas sim vertical, pela incorporação de tecnologias, como a recuperação de áreas degradadas e da fertilidade do solo.

Também colaboram para essa evolução o manejo intensivo de pastagens, o confinamento, a utilização de modernas técnicas reprodutivas e o cruzamento de raças especializadas.

Isso é comprovado com a crescente produção nacional, de cerca de 4% ao ano, enquanto a área de pastagens diminuiu cerca de 3% na última década.

O resultado dessa especialização será a produção eficiente de leite em áreas menores, disponibilizando parte das pastagens para a agricultura e reduzindo o avanço da pecuária sobre áreas de vegetação nativa.

Isso virá a facilitar o atendimento das exigências legais na área ambiental sem comprometer a renda e a viabilidade da propriedade rural no país.

*Marco Aurélio Bergamaschi é médico veterinário, doutor e supervisor do sistema de leite da Embrapa Pecuária Sudeste.


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink

Usamos cookies para armazenar informações sobre como você usa o site para tornar sua experiência personalizada. Leia os nossos Termos de Uso e a Privacidade.