Energia do futuro

Animais mortos podem ser utilizados para gerar energia

Cerca de 35% das mortes de aves do Paraná poderiam ser evitadas com o uso de carcaças para gerar energia, defende especialista
Por: -Giorgio Dal Molin
126 acessos

Na pecuária, sempre há uma taxa de perda animal aceitável para os produtores. O problema é quando elas acontecem por causas que poderiam ser evitadas simplesmente pelo fornecimento adequado de energia.

“Está acontecendo uma mortalidade de aves anormal na região Sudoeste e Noroeste do Paraná devido à queda de energia elétrica”, comenta Cicero Bley, agrônomo e presidente do Centro Internacional de Energias Renováveis - Biogás (CIBiogás), que conta com 11 unidades de produção de biogás no Brasil.

Segundo o Relatório Anual da Adapar (Agência de Defesa Agropecuária do Paraná), o estresse térmico foi a principal causa das mortes de aves em 2016: das 7,5 milhões nas granjas do estado, 2,6 milhões (35%) foram por esse motivo.

Para melhorar a situação, Bley traz uma sugestão: a conversão de carcaças de aves, suínos e bovinos em energia elétrica para abastecer as propriedades rurais.

“Os produtores que têm perdas de lotes estão fazendo boletins de ocorrência e acionando a Copel [na Justiça]. Essas ações indenizatórias entram no próprio custo da Copel de tarifa de energia e podem impactar o consumidor. É um ciclo vicioso que precisa ser interrompido”, defende ele, que também atuou como superintendente de Energias Renováveis da Itaipu Binacional.

A prática já é realizada em países da Europa e nos Estados Unidos, e poderia ser adaptada no Brasil, explica o especialista: “Já temos recursos e equipamentos para isso”. O atual uso do biogás produzido a partir de dejetos animais seria um exemplo disso.

O problema é que, em pequenas fazendas, esse investimento pode ser inviável. Como a legislação não permite o trânsito de animais mortos, tudo precisaria ser feito na propriedade. “Como a segurança técnica e sanitária [do transporte de animais mortos] não é garantida, deslocar equipamentos e a indústria até lá custa caro”, afirma o diretor presidente da Adapar, Inácio Kroetz.
Sustentabilidade

Segundo Kroetz, o tema está constantemente sendo debatido, inclusive em grupos de saúde animal do Ministério da Agricultura, mas atualmente é permitida ‘apenas’ realização de técnicas de compostagem (transformações de restos orgânicos em adubo, por exemplo) e o enterro dos cadáveres. “Várias propostas já chegaram, como a conservação a frio, mas nem mesmo a Embrapa encontrou uma solução”, afirma o diretor.

Apesar dessa dificuldade, o uso de carcaças para gerar energia é ambientalmente correto, explica Cícero Bley, que mostra os riscos de enterrar ou incinerar animais mortos:

“É muito grande o risco da ruptura de norma biológica. São cadáveres orgânicos que vão apodrecer e criar condições biológicas para determinadas espécies de micro-organismo, o que pode causar desequilíbrio e grande impacto biológico”, revela o especialista, alertando para riscos de contaminação de solo e fontes de água potável por conta do chorume.

Cícero Bley conta que apresentou a solução em uma palestra no 4º Fórum de Biogás de São Paulo, e que conversou com o presidente da companhia energética, Antonio Souza Guetter. “Ele se mostrou surpreso com o numero de animais mortos”, diz. Por meio de sua assessoria de imprensa, a Copel informou que ainda não possui essa alternativa, mas que realiza outras ações de energias renováveis:

“A Copel, em parceria com Governo do Estado, FAEP (Federação da Agricultura do Estado do Paraná) e outras entidades, está desenvolvendo um Plano Estratégico de Biomassa que contempla, entre as alternativas de produção de energia, a biodigestão dos mais diversos insumos e resíduos agropecuários e agroindustriais. Contudo, ainda não temos nenhum projeto ou estudos com biodigestão de carcaças”.

Energia a partir de carcaça animal: como funciona

O mecanismo de conversão de carcaças em energia elétrica funciona da seguinte maneira: o animal morto é preparado com uma mistura junto a um biodigestor (equipamento de decomposição de matéria orgânica) e um gasoduto leva o gás gerado até uma central termoelétrica de biogás para ser feita a distribuição da nova energia.

O investimento, segundo o agrônomo Cicero Bley, parte de várias frentes. Na propriedade, pode ser feito pelo produtor rural, financiado por programas como Plano Safra ou BNDES. Fora dela, órgãos como a Copel e Secretaria de Agricultura. Parte do investimento interno e externo também pode ser feito por instituições do agronegócio, como indústrias e cooperativas, que teriam resultados em todas as fases do seu negócio.

“O biogás efetivamente produzido pelas propriedades será pago aos proprietários a razão de 65% do preço do gás natural vendido nos postos locais”, propôs Bley em nota técnica enviada na última semana a representantes da Secretaria da Agricultura do Paraná explicando o caso.

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink