Aprosoja acompanha missão internacional da ISGA na Europa
CI
Agronegócio

Aprosoja acompanha missão internacional da ISGA na Europa

Grupo conversa com representantes de indústrias e membros do governo
Por:

O diretor executivo da Associação dos Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso (Aprosoja), Wellington Andrade, acompanha uma missão internacional da International Soybean Growers Alliance (ISGA), em português Aliança Internacional dos Produtores de Soja, com o objetivo de discutir biotecnologia e acesso do mercado europeu para soja geneticamente modificada, bem como entender as demandas por esse produto.
 
A ISGA representa produtores de soja, e também indústrias pertencentes à cadeia, dos Estados Unidos, Brasil, Argentina, Canadá, Uruguai e Paraguai. De acordo com Andrade, as discussões giram principalmente em torno do atraso na aprovação de novas biotecnologias na Europa e no opt-out de uso de produtos importados e geneticamente modificados. Opt-out é uma discussão feita atualmente na União Europeia para restrição ou proibição de importação de produtos geneticamente modificados pelos países membros.
 
Na terça-feira (17), o grupo participou de quatro reuniões. A primeira foi com representantes agrícolas das embaixadas do Brasil, Estados Unidos, Argentina e Paraguai. A segunda com a OVID, uma associação alemã de produtores de óleos vegetais semelhante à Abiove. A terceira com Kees de Vries, representante do Partido Cristão do Parlamento Alemão. O quarto encontro foi com a Federação Alemã para Assuntos Legais e Científicos sobre Alimentação. 
 
“Fizemos a reunião com o Partido Cristão porque, ao contrário dos partidos Verde e Socialista, o Cristão tende a compreender e apoiar produtos geneticamente modificados, desde que tenham o apoio da cadeia”, explica Wellington Andrade. 
 
A questão do opt-out, segundo Andrade, é o ponto mais abordado e questionado durante os encontros. Isso se deve ao fato de que 95% de toda a soja produzida pelos membros da ISGA é geneticamente modificada. 
 
“Todas as pessoas com as quais conversamos nas reuniões entendem que essa discussão hoje na Europa é eminentemente política, mas creem que a questão do opt-out para restrição ou proibição de uso de produtos importados e geneticamente modificados tende a se esvaziar, principalmente porque não condiz com as regras de mercado interno e nem com o comércio internacional. A Alemanha, em especial, tende a rejeitar esta proposta”, avalia o diretor executivo.
 
A missão – A missão da ISGA continuou na Europa até sexta-feira (20). Além da Alemanha, o grupo visitou a Dinamarca e a Bélgica, e na quinta-feira  (19), Wellington Andrade proferiu uma palestra e participou de um painel no evento GMCC-15 em Amsterdam, sobre a coexistência de produtos geneticamente modificados e não-geneticamente modificados.


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink

Usamos cookies para armazenar informações sobre como você usa o site para tornar sua experiência personalizada. Leia os nossos Termos de Uso e a Privacidade.