Área de cultivo de milho transgénico em Portugal baixa em 2010

Agronegócio

Área de cultivo de milho transgénico em Portugal baixa em 2010

Tudo indica que produtores estejam se desinteressando pelas sementes GM
Por:
387 acessos

De acordo com dados recentemente divulgados pelo Ministério da Agricultura a área ocupada pelo cultivo de milho transgénico, que se iniciou em 2005, sofreu, em 2010 e pela primeira vez uma redução, o que pode indiciar um desintresse por parte dos produtores nacionais.

Com meses de atraso face ao habitual, o Ministério da Agricultura divulgou recentemente alguns dados relativos ao cultivo de milho transgénico em Portugal no corrente ano o que permite verificar que, pela primeira vez desde que o cultivo começou em 2005, a área total baixou em relação ao ano anterior.1

Esta redução não resulta apenas da contracção verificada na produção de milho em geral, uma vez que a proporção de milho transgénico em relação à área total dedicada a todo o milho em Portugal também desceu de 2009 para 2010, rondando agora apenas os 3.7%.2

Tudo indica que numerosos produtores nacionais estejam a desinteressar-se das sementes geneticamente modificadas depois de as terem experimentado.


Analisando em detalhe os dados disponíveis para o Alentejo (a região que mais cultiva transgénicos) torna-se aparente que aproximadamente 30% (14 em 47) dos produtores registados em 2009 já não consta do registo de cultivos de 2010. Esta tendência já era visível em 2008, quando foi possível determinar que cerca de metade das herdades alentejanas que tinham produzido milho transgénico em 2007 já o tinha abandonado no ano seguinte.3

Uma outra novidade em 2010 prende-se com o facto de que o Algarve deixou de ter cultivos transgénicos e pode finalmente usufruir do estatuto que escolheu há vários anos como zona livre de transgénicos. Uma única herdade que cultivava milho transgénico já há três anos nesta região aparentemente não considerou útil manter essa produção.

A evolução global do cultivo de milho transgénico em Portugal apresenta uma imagem de estagnação. Uma percentagem muito significativa de produtores que experimentam este produto da engenharia genética acaba por o abandonar e a área ocupada – abaixo dos 5% do total dedicado ao milho – não tem real significado.

Coloca-se pois a questão: para quê produzir transgénicos em Portugal, se nem os produtores parecem satisfeitos com eles?

1 Ver dados oficiais em www.tinyurl.com/ogm2010
2 Gráficos detalhados com a evolução desde 2005 estão em www.tinyurl.com/ogmgraficos
3 Ver comunicado de imprensa sobre este assunto em www.tinyurl.com/com392

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink