Área de grãos não deve crescer no Brasil, aponta Cogo

Agronegócio

Área de grãos não deve crescer no Brasil, aponta Cogo

Deve permanecer estável em 56,8 milhões de hectares
Por: -Leonardo Gottems
2827 acessos

Receba Notícias como esta por email

Cadastre-se e receba nossos conteúdos gratuitamente
Obrigado por se cadastrar
  • Enviamos a você um email de boas vindas para ativação de seu cadastro.

Deve permanecer estável em 56,8 milhões de hectares a área de cultivo de grãos no Brasil na temporada 2014/2015. A projeção interrompe uma sucessão de altas acumuladas em 20,8% iniciadas há cinco temporadas (no ciclo 2009/2010), com expansão de 9,7 milhões de hectares neste período. 


É o que aponta relatório da Carlos Cogo Consultoria Agroeconômica divulgado nesta quarta-feira (10.09). Se acordo com o especialista, o fenômeno decorre da expectativa de uma expansão mais moderada da área de soja, anulada pelos recuos acentuados previstos na área de milho primeira safra, feijão, algodão e trigo. 

Conforme o consultor, entre os principais motivos para justificar a projeção de estagnação da área de cultivo de grãos no Brasil destacam-se o expressivo recuo dos preços globais dos grãos, com a projeção de safras recordes de soja e de milho nos Estados Unidos em 2014/2015, a queda acumulada de 38% das cotações futuras do milho e de 29% da soja nos últimos 12 meses, além da projeção de safra global recorde de trigo em 2014/2015. 


Também pode-se considerar os estoques mundiais de algodão em níveis recordes no ciclo 2014/2015, equivalentes a 333 dias de consumo global, a forte baixa dos preços domésticos do feijão em 2014, após o aumento de 22,7% da produção brasileira, e a menor rentabilidade da soja e a baixa rentabilidade esperada para o milho, algodão e trigo em 2015", observa.

O destaque continuará sendo a área de soja, que deverá crescer 3,8% no Brasil na safra 2014/2015, para 31,3 milhões de hectares. No período passado, embalada por preços globais elevados, a área de soja se expandiu em 8,8%. Mesmo assim a produção da oleaginosa está estimada em um recorde de 93,2 milhões de toneladas, 8,3% acima das 86,1 milhões de toneladas produzidas em 2013/2014. Já a produtividade média da soja está estimada em 2.976 quilos por hectare, 4,3% acima da verificada em 2013/2014, afetada pela estiagem que assolou o Paraná, Minas Gerais, São Paulo e outros estados do Centro-Sul.


Já a produção de grãos deve confirmar a estimativa de um recorde de 200,3 milhões de toneladas no Brasil na safra 2014/2015, com um incremento de 2,5% sobre 2013/2014. Segundo Cogo, a estimativa de expansão de cinco milhões de toneladas na produção estimada para a próxima safra está apoiada na expectativa de clima favorável para as principais regiões produtoras do país, com incremento esperado de 2,5% na produtividade média dos grãos, recuperando o patamar de 3,5 toneladas por hectare registrado na temporada 2012/2013. 

"Essas projeções estão condicionadas à confirmação das expectativas de clima favorável na temporada 2014/2015, em especial para as lavouras de verão, que respondem por 70% da produção total esperada", explica. Cogo conclui lembrando que a tendência climática até o momento é de condição de neutralidade para 2015. 
Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink