Argentinos exigem lei para entregar cana

Usamos cookies para armazenar informações sobre como você usa o nosso site e as páginas que visita. Tudo para tornar sua experiência a mais agradável possível. Leia os Termos de Uso e a Termos de Privacidade.


CI
Imagem: Arquivo Agrolink
MUNDO

Argentinos exigem lei para entregar cana

Na quarta-feira da próxima semana a lei expirará
Por: -Leonardo Gottems

A suspensão da reunião da Comissão dos Deputados de Energia, marcada para hoje, onde seria avaliado e aprovado o parecer do projeto da nova lei dos biocombustíveis, deixou o setor açucareiro no norte da Argentina em incertezas. A iminente expiração da lei que exige que a mistura da gasolina com o etanol produza um percentual da cana-de-açúcar, está obrigando o setor a repensar como enfrentar esses primeiros dias de colheita. 

Os canavieiros (mais de 8 mil independentes e pequenos produtores) já disseram aos industriais que não vão "jogar" cana até que os deputados estendam a lei ou seja sancionado um novo instrumento que dê segurança ao setor. Enquanto há empresários que antes do início de suas usinas estão avaliando se vão produzir álcool ou não. “Por enquanto, quando iniciarmos a safra, vamos produzir óleo cru e açúcar para abastecer o mercado. Mas álcool sem lei não produziremos. Esperamos que o presidente Alberto Fernández não nos decepcione ”, disse uma referência do setor que em breve iniciará seu ano açucareiro. 

Sergio Fara, presidente do Sindicato dos Canavieiros Independentes de Tucumán, lamentou a situação do setor e disse que o mercado de açúcar, diante de tantas incertezas, caiu mais de 30%. “Tudo subiu 40% e nosso produto está abaixo disso. A mesquinhez política está nos fazendo trabalhar perdidos. Há muita angústia nos produtores ”, afirmou. A UCIT apresentou uma nota ao governador, Juan Manzur, solicitando uma audiência para levantar o cenário de emergência para os produtores de cana-de-açúcar. 

Na quarta-feira da próxima semana a lei expirará e por enquanto, além das versões e ditos de alguns parlamentares nacionais de Tucumán, nenhuma autoridade nacional de peso saiu para dar explicações ao setor, principal atividade econômica das províncias do norte argentino. 


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink