Agronegócio

Arica precisaria de 3 anos para atender demanda brasileira

A atual estrutura do porto chileno, em Arica, não suportaria a demanda da agricultura sul-mato-grossense
Por:
1071 acessos
A atual estrutura do porto chileno, em Arica, não suportaria a demanda da agricultura sul-mato-grossense. Via Pacífico, o porto escoa cerca de três milhões de toneladas por ano, enquanto que a produção anual de grãos em MS se aproxima dos 14 milhões de toneladas. “Seriam necessários três anos de adaptações para encaminhar os grãos brasileiros até a Ásia”, informou o vice-presidente do Terminal Portuário de Arica, Sebastian Montero, nesta terça-feira, durante reunião com os executivos brasileiros que viajam de Campo Grande a Iquique (Chile), em busca de novas rotas de exportações.
 
De acordo com Montero foram investidos nos últimos oito anos cerca de US$ 90 milhões na ampliação e em tecnologia para o porto de Arica, porém, toda a modernização foi capaz de atender apenas pequenas produções, e hoje o porto dedica 78% de suas movimentações internacionais ao comércio boliviano, 6% ao Peru e os demais são do próprio Chile. “Em oito anos aumentamos nossa capacidade de movimentação de carga em 125% e esperamos continuar neste ritmo para estarmos brevemente aptos para atender a demanda brasileira”, destacou o vice-presidente do porto.
 
Para o diretor secretário da Federação da Agricultura e Pecuária de MS (Sistema Famasul), Ruy Fachini, os primeiros passos para que o Estado passe a exportar pelo Pacífico já foram dados. “Estamos conhecendo detalhes das estradas, avaliando suas qualidades e necessidades. Mas para chegarmos entregamos nossas commodities em portos chilenos, além da infraestrutura será necessário alinhamento político, principalmente com a Bolívia, que apresenta algumas dificuldades de estrutura para atender os caminhoneiros”, afirma Fachini, referindo-se ao déficit de postos de combustíveis e acostamento nas estradas bolivianas.
 
Junto com os 90 executivos que saíram de Campo Grande na última sexta-feira (27), em busca da viabilidade da rota bioceânica, Fachini visitará nesta quarta-feira (2) o porto de Iquique e participará de reunião com autoridades chilenas e empresários. 
 
Organizada pelo Sindicato das Empresas de Transporte de Carga e Logística de Mato Grosso do Sul (Setlog-MS), a expedição Rota da Integração Latino-Americana está em reta final. Após a visita ao porto de Iquique, os empresários cogitam a possibilidade de reunião em Asunción, no Paraguai, para reunião com o presidente do país, em busca de novas possibilidades de escoamento.
 
Além da Famasul e da Associação dos Produtores de Soja de MS (Aprosoja/MS), outras 17 empresas participam na Rota da Integração Latino-Americana.
 
Sobre o Sistema - O Sistema Famasul é uma das 27 entidades sindicais que integram a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA). Como representante do homem do campo, põe seu corpo técnico a serviço da competitividade da agropecuária, da segurança jurídica e da valorização do homem do campo. O produtor rural sustenta a cadeia do agronegócio, respondendo diretamente por 17% do PIB sul-mato-grossense. 
Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink