Armadilhas monitoram bicudo na Bahia
CI
Imagem: Divulgação
ALGODÃO

Armadilhas monitoram bicudo na Bahia

O bicudo é considerado uma das principais pragas da cultura
Por: -Eliza Maliszewski

Desde o fim da colheita e começo do vazio sanitário do algodão na Bahia, em setembro, os técnicos do Programa Fitossanitário da Associação Baiana dos Produtores de Algodão (Abapa) monitoram o bicudo do algodoeiro. O inseto é considerado uma das principais pragas da cultura.  Tem grande capacidade de se reproduzir e é responsável por perdas superiores a 200 dólares por hectare, o que equivale a quase 10% do custo total de produção.

Armadilhas foram instaladas nos 18 núcleos produtores do estado. Foram 503 armadilhas no total, sendo 455 no Oeste e 48, no Sudoeste. As leituras consistem em calcular o nível de infestação com a média de Bicudos por Armadilha por Semana (BAS). Na primeira leitura, realizada no dia 25 de setembro, foram capturados 2.483 bicudos em 455 armadilhas instaladas na região Oeste. Na região Oeste, foram 87 bicudos em 48 armadilhas.

O monitoramento antes da safra é considerado fundamental para alertar os produtores para a eliminação de qualquer resto cultural que possa elevar a infestação antes do plantio.“Os níveis ainda estão considerados altos, e o objetivo com o apoio dos produtores líderes é aumentar a mobilização para que se reduzam ainda mais os índices antes do plantio”, afirma o coordenador do programa fitossanitário da Abapa, Antônio Carlos Araújo.

Dentre as ações para o controle do bicudo, os técnicos promoveram uma série de blitze educativas nas rodovias do Oeste da Bahia, orientando os motoristas de carga para o correto armazenamento e transporte da fibra e do caroço de algodão. A entidade também espera o apoio dos produtores para a eliminação de plantas voluntárias, as tigueras, que também foram eliminadas das margens das rodovias. “Este é um momento em que o setor produtivo precisa estar unido na destruição de qualquer tipo de planta voluntária ou resto cultural, para começar a próxima com reduzidos índices BAS nas áreas agrícolas”, explica o supervisor consultor agronômico e diretor técnico da Abapa, Celito Breda.

A semeadura do algodão, que marca o início da safra, será liberada a partir do dia 20 de novembro, prazo que se encerra o período do vazio sanitário na Bahia.
 


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink