Soja

Armazenagem de soja não trouxe benefícios econômicos em 2017

Segundo a Esalq-LOG, para os produtores e exportadores do Brasil, o ano tem sido marcado por preços baixos
Por:
405 acessos

Estudos realizados por pesquisadores do Grupo Esalq-LOG indicaram as vantagens da armazenagem de soja para comercialização posterior no ano de 2016. Entretanto, em 2017, a situação se alterou e a armazenagem ainda não trouxe os benefícios econômicos normalmente esperados. As análises do Sistema de Informações de Armazenagem (Siarma), ferramenta desenvolvida pelo Esalq-LOG, mostram que as variações dos preços da soja no mercado internacional ainda não foram suficientes para cobrir os gastos com armazenagem e trazer sólidos incrementos em receita.

De acordo com análise da Esalq-LOG, para os produtores e exportadores de soja do Brasil, o ano de 2017 tem sido marcado por preços baixos. Comparativamente com o ano de 2016, o preço da oleaginosa tem sido em média 14% menor na moeda nacional. A maior diferença até o momento foi detectada nos meses de maio e junho, nos quais o preço praticado do grão no mercado foi, respectivamente, 20% e 28% menor.

Armazenagem de soja

Diferente do que ocorreu em 2016, em 2017 ainda não houve aumento significativo do preço no período da entressafra em comparação com os meses de colheita da soja, o que tornou o uso da armazenagem mais arriscado nesse ano, com janelas de comercialização menores. Outra condição que influenciou esse cenário é que o preço local da soja no ano de 2016 foi favorecido também pela desvalorização do real frente ao dólar. Tais fatores, em conjunto, possibilitaram ganhos adicionais aos produtores e exportadores que optaram por armazenar parte da produção no período da colheita para escoamento em períodos futuros de 2016.

Comercialização da soja

Especificamente para o ano de 2016, as análises do Siarma mostram que o período ideal para a comercialização da soja colhida no mês de março foi o mês de junho. Ao vender a soja em junho, mesmo arcando com custos de armazenagem, os produtores/exportadores tiveram um incremento de receita estimado da ordem de R$ 19,00 por saca.

Situação diferente é observada para o ano de 2017. O produtor que colheu parte da sua produção no mês de março e optou pela utilização da armazenagem teve o mês de julho como período ideal para a comercialização – este foi o único período até o momento em que as estimativas do Siarma mostram a possibilidade de obtenção de ganhos econômicos com a utilização da armazenagem em 2017. Apesar de positivo, tal ganho estimado é baixo – R$ 0,67 por saca.

Projeções para 2018

Segundo o pesquisador do Esalq-LOG, Fernando Rocha, as projeções do Siarma para o próximo ano, analisadas em conjunto com as projeções do Sistema de Informações de Fretes, “indicam que o uso da armazenagem em 2018 poderá trazer ganhos econômicos mais significativos aos produtores e exportadores, em comparação com que estamos observando em 2017”.

O Siarma, projeto desenvolvido pelo Grupo Esalq-LOG, aponta esse tipo de análise embasada em um acompanhamento mensal dos preços da soja no mercado, do frete praticado no mercado de transporte e dos custos de armazenagem, dentre outras variáveis.

 

 

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink