Arrozeiro do RS pode reduzir conta de luz

Agronegócio

Arrozeiro do RS pode reduzir conta de luz

Parceria entre o Irga e a PUCRS prevê redução de até 50% da conta de luz através do sistemas de bombeamento de água para irrigação das lavouras
Por:
1 acessos

Os produtores do Rio Grande do Sul poderão reduzir em até 50% os gastos com a conta de luz na irrigação das lavouras de arroz. A economia ocorreria por meio do projeto para racionalização de custos em energia elétrica nos sistemas de bombeamento de água, desenvolvido pelo Instituto Riograndense do Arroz (Irga) em parceria com a Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS). O estudo está em análise pelo Departamento de Eficientização da Companhia Estadual de Energia Elétrica (CEEE).

A estimativa é que até o final do mês o resultado esteja concluído. Se for positivo, o levantamento será estruturado de acordo com o padrão da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), responsável pela decisão final. Em caso de aprovação, será feito o diagnóstico de produtores nos municípios de abrangência da CEEE que possam implantar a novidade. "As lavouras de arroz representam uma demanda significativa de energia em pouco espaço de tempo. Quanto mais eficiente for o sistema, melhor para nós", afirma o diretor de Planejamento e Projetos Especiais da CEEE, Sérgio Campos de Moraes.

Na prática, trata-se da substituição de motobomba e tubulações pelo novo sistema de bombeamento com tecnologia de alta eficiência energética, que tem uma vida útil de cerca de 14 anos.

O investimento depende da estrutura e necessidade de cada propriedade rural, e seria pago sem qualquer desembolso, apenas com a economia na conta de luz. O produtor iria abatendo o custo do equipamento da redução dos gastos com a energia, que se daria durante o ciclo da cultura, ou seja, quatro meses por ano, o equivalente a quatro parcelas. A expectativa do Irga é que o projeto seja aprovado pela Aneel até o final deste ano e os pré-diagnósticos possam começar a ser realizados já para a próxima safra.

Na safra 2005/06, mais de 50% dos sistemas de captação de água eram movidos por energia elétrica no Estado. "A irrigação representa 11,5% do custo total da plantação. É um percentual alto", diz o engenheiro agrônomo e pesquisador da área de irrigação e drenagem do Irga, Élio Marcolin. Com o projeto, será possível deixar a lavoura mais rentável pela redução do custo de produção.


Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink