Arrozeiros do RS exigem que TEC para importação seja de 35%


Agronegócio

Arrozeiros do RS exigem que TEC para importação seja de 35%

Por:
1 acessos

Com o objetivo de diminuir a importação de arroz dos Estados Unidos, produtores, políticos, entidades do setor no Rio Grande do Sul chegaram ao acordo de elevar a Tarifa Externa Comum (TEC) de 14% para 35%, durante a reunião de ontem (07-04) na Assembléia Legislativa do Estado. Este medida impediria que o produto norte-americano fosse comercializado a preços inferiores aos do mercado interno, que poderia resultar em uma quebra no setor gaúcho.

Segundo o presidente do Instituto Rio Grandense do Arroz (Irga), Pery Sperotto Coelho, desde a entrada de 840 mil toneladas de arroz dos EUA no biênio 98-99, o preço da saca vem caindo substancialmente. Conforme estudo do Irga, entre os anos de 1994 e 1998, antes da entrada do grão norte-americano, a média dos preços praticados ao produtor era de R$ 26,47 a saca de 50 Kg, enquanto que o custo médio de produção era da margem de R$ 23,24. Após o ano 1999, a média de preço ao produtor caiu para R$ 20,25 e o custo de produção atingiu R$ 21,54.

De acordo com ele, o prejuízo desde aquele período aos produtores do Estado chega a aproximadamente R$ 2 bilhões. Coelho destaca que o arroz dos Estados Unidos chega ao Brasil ao preço de US$ 5,40 a saca, além do governo norte-americano subsidiar o produtor local em US$ 12 a saca. Com o dólar a uma média de R$ 3,25, o preço da saca do grão dos EUA ficaria entre R$ 17 a R$ 18, obrigando os produtores a baixarem ainda mais os preços no mercado interno. No ano passado, a saca do produto brasileiro foi cotada a R$ 22,94.

Outros pontos também foram destaques na reunião de ontem, como a apresentação da Carta Aberta de Denúncia Pública elaborada em março durante a III Conferência Internacional do Arroz, no Uruguai, e a participação efetiva do Banco do Estado do Rio Grande do Sul (Banrisul) no financiamento da lavoura orizícola. Para esse tema, o diretor de Desenvolvimento da Instituição, Nelson Marchezan Júnior, garantiu que o financiamento para a próxima safra deverá permanecer em R$ 16 milhões, com a possibilidade de reajuste entre 20% a 40%. Ele também enfatizou que o banco pretende desburocratizar o financiamento ao produtor. Além disso, estuda a criação de um risco específico ao orizicultor, como forma de beneficiar o agricultor que já planta há algum tempo. Futuramente, o Banrisul estuda a possibilidade de operar na Bolsa de Mercadorias do Rio Grande do Sul.

Na próxima semana o presidente da Comissão da Agricultura, Pecuária a Cooperativismo da Assembléia Legislativa, Jerônimo Goergen, enviará um dossiê contendo esses pontos ao Ministério da Agricultura, da Fazenda, do Planejamento, à bancada gaúcha na Câmara dos Deputados e à Comissão do Mercosul. Uma comissão formada pela Farsul, Irga, Sindarroz, Sindapel, Federarroz acompanhará o presidente da comissão até Brasília para debater as reivindicações dos arrozeiros gaúchos.

Queda na produção do Rio Grande do Sul

O brasil produz hoje cerca de 11 milhões de toneladas de arroz, sendo que o consumo é de 11,7 milhões. Para atender essa demanda de 700 mil toneladas, o Uruguai e a Argentina, pelo tratado do Mercosul, têm direito de suprir essa lacuna. Porém, esse número pode aumentar em decorrência da queda de produção, para esta safra, do maior produtor de arroz do país, o Rio Grande do Sul, que na temporada 2001/02 colheu 5,5 milhões de toneladas.

De acordo com o presidente das Associações dos Arrozeiros do Estado, Artur Albuquerque, as perdas ainda não podem ser calculadas porque somente 20% das lavouras gaúchas foram colhidas. Ele ressalta que o atraso no plantio, o clima adverso e o ataque de fungos em praticamente todas as regiões com lavoura de arroz no RS proporcionarão esta queda. Mesmo com a possibilidade de recuo na produção, ele acredita que a safra, considerada por ele regular na região Centro-Oeste do país, irá atender a demanda no Brasil. Também enfatizou que o Mercosul atenderá essa demanda sem precisar elevar significativamente o volume importado.


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink