Até onde vai o apetite da China?
CI
Imagem: Ivan Bueno/APPA
SOJA

Até onde vai o apetite da China?

Preços estão subindo
Por: -Leonardo Gottems

O último relatório de situação do IERAL da Fundación Mediterranea destaca que os principais exportadores (Brasil, Estados Unidos e Argentina) estão atualmente vendendo soja a um preço que está 25% (em média) acima dos valores de abril / maio e quase 10% dos de agosto. No mercado de milho, grande concorrente por terras com a oleaginosa, verifica-se algo semelhante, os preços atuais estão 16% acima dos de abril / maio e também + 10% em relação aos de agosto. 

“Tudo indica que essa escalada de preços responde mais à pressão da demanda do que à restrição da oferta e que é basicamente gerada por uma aceleração das importações chinesas nos últimos meses (sem deixar de lado que existem outros países menores do Sudeste Asiático, que também estão empurrando) ", diz Juan Manuel Garzón, autor do relatório. 

No caso da soja, as importações da gigante foram em média 10,3 milhões de toneladas por mês no trimestre junho-agosto, fluxo que é recorde histórico (e que assusta anualizado, eleva as compras a 123,6 milhões de toneladas 2 , 3 safras argentinas ), explica ele. 

“A grande dúvida é a persistência dessa voracidade da gigante (e, portanto, do novo patamar de preços). De outra perspectiva, a dúvida reside nos fatores que estão por trás da aceleração das compras: quanto adiantam e / ou acúmulo de reservas e quanto de expansão se espera no consumo interno”, acrescenta Garzón, economista do IERAl. 

Se a China explica a aceleração do preço da soja, a pergunta que se segue é por que, em um ano quase recessivo, levou suas compras a um novo patamar. Ou, de outra perspectiva, a questão central é quanto da aceleração das compras pode ter a ver com um fenômeno de antecipação , precaução ou acúmulo de reservas a um novo nível desejado e quanto com a necessidade de suprir uma demanda do consumidor interno que está muito mais firme e está se expandindo novamente após o golpe sofrido pelas diferentes pandemias. 


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink