Atraso na chuva gera dúvida na safrinha em MT

Agronegócio

Atraso na chuva gera dúvida na safrinha em MT

Sentimento da maioria dos produtores em Mato Grosso ainda é de incerteza
Por:
940 acessos

O mercado do milho deu uma guinada surpreendente desde meados de 2010. O preço da saca na região de Rondonópolis saltou da média de R$ 10,00 para atuais R$ 18,00. No entanto, o sentimento da maioria dos produtores quanto à safrinha de milho em Mato Grosso ainda é de incerteza, conforme repassado ao Jornal A TRIBUNA. As indefinições são, principalmente, quanto aos efeitos do atraso das chuvas para a atual safra de soja e sua repercussão na safrinha de milho. No momento, o Instituto Mato-grossense de Economia Agrícola (Imea) estima uma redução de 9,3% na área plantada com milho de segunda safra no Estado.

Para o gerente técnico da Associação dos Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso (Aprosoja/MT), Luiz Nery Ribas, uma das principais dúvidas dos produtores é sobre quanto será possível plantar de milho safrinha. Com o mercado em alta, atesta que a intenção da maioria dos produtores era repetir a área de milho safrinha do ano passado, mas teme falta de condições ao desenvolvimento da lavoura em função do atraso das chuvas para a safra principal de soja. “O ideal ao plantio do milho safrinha é até fevereiro. A partir de 1º de março, é risco”, observa o engenheiro agrônomo.

Aliado às condições de mercado, o atraso das chuvas, segundo Nery Ribas, já trouxe como impacto uma transferência de aproximadamente 100 mil hectares em Mato Grosso, que seriam destinados inicialmente à soja precoce, para o plantio exclusivo da cultura do algodão, com preços surpreendentes. Com os riscos existentes, o gerente técnico avalia que uma das tendências é que, ao invés da safrinha de milho, parcela de produtores migre para outras culturas que suportam mais o clima, como o sorgo e o girassol, ou ainda para o milheto.

No entanto, Nery Ribas ressalta que o milho de segunda safra tem fundamental importância à agricultura de Mato Grosso, seja no sentido agronômico, com formação de palhada, cobertura de solo e associação para rotação de cultura, ou no sentido econômico, como renda alternativa, aproveitamento de máquinas e funcionários, entre outros.

A alta nos preços do milho, conforme Nery Ribas, está associada principalmente à escassez do cereal devido a problemas de clima em países europeus e grandes países produtores, como Rússia, com quebras de produção. Por outro lado, grandes países consumidores, como a China, mostram tendência de importação do cereal.

Para o engenheiro agrônomo Leonardo Sologuren, mestre em economia e consultor em agronegócio, a redução da próxima safra de milho no Brasil se deve ao fato de que a elevação dos preços do cereal no mercado doméstico ocorreu, no entanto, em um período onde a decisão de investimento na área de verão já havia sido tomada.

Contudo, aponta um cenário atrativo para preços. “A redução na produção, a expectativa de problemas climáticos na região Sul em função do fenômeno La Niña e a pressão das exportações neste último trimestre de 2010 deverão configurar um quadro interessante de preços e comercialização já no primeiro semestre do próximo ano”, analisa.

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink