Audiência Pública debate renegociação das dívidas arrozeiras
CI
Agronegócio

Audiência Pública debate renegociação das dívidas arrozeiras

Produtores devem ganhar prazo até 30 de junho para negociar
Por:
Os arrozeiros que não renegociaram suas dívidas para pagamento em 10 anos, poderão ganhar prazo até o dia 30 de junho para fazê-lo, segundo Renato Rocha, presidente da Federarroz. Esta decisão foi tomada em conjunto pelos representantes do ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) e da Fazenda (MFAZ), presentes na audiência pública para debater o endividamento dos arrozeiros na Comissão de Agricultura da Câmara Federal.

 
A Federarroz contextualizou o problema, suas razões e fez referência a adesão parcial dos bancos privados ao refinanciamento, colocando todo o esforço do governo federal, dos parlamentares e das entidades em risco. O prazo para a renegociação era 30 de abril, mas como os bancos privados não aderiram integralmente às regras aprovadas pelo Conselho Monetário Nacional, vários produtores não conseguiram repactuar o passivo nas condições aprovadas pelo governo. “Fizemos o pedido. O governo foi sensível e vamos esperar novo prazo nos próximos dias”, afirma Rocha.
 
Da audiência, em Brasília (DF), proposta pela Federarroz, participaram o presidente da Federarroz, Renato Rocha, o VP Daire Coutinho e o diretor técnico José Carlos Gross, e os dirigentes da Farsul, MFAZ, MAPA, deputados da Comissão, deputados federais gaúchos: Alceu Moreira (PMDB), Luis Carlos Heinze (PP), Jerônimo Goergen (PP), Ronaldo Nogueira (PTB), Marchezan Jr (PSDB) e Afonso Hamm (PP). Da Federação Brasileira de Bancos esteve presente o diretor Ademiro Vian. Segundo ele, os bancos estão renegociando caso a caso.


“Isso não está acontecendo e solicitamos que os bancos sejam pró-ativos e chamem seus clientes à renegociação, pois será bom para os dois lados: o produtor que retoma acesso ao crédito e o banco que resolve o impasse e resgata seus clientes”, diz Rocha.
 
Os representantes do governo e parlamentares fizeram coro pela sensibilidade dos bancos, levando em conta o esforço realizado para resolver a questão das dívidas setoriais. O diretor da Febraban informou que dos 4.100 produtores aptos a renegociarem as dívidas, só 680 as recontrataram. A Federarroz solicitou ao Ministério da Fazenda um balanço do total de contratos renegociados pelo programa. O representante dos bancos levará à Febraban a demanda dos agricultores. “Esperamos uma solução rapidamente, para que mais arrozeiros possam aproveitar o programa e o prazo que deve se abrir”, finaliza Renato Rocha.

Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink

Usamos cookies para armazenar informações sobre como você usa o site para tornar sua experiência personalizada. Leia os nossos Termos de Uso e a Privacidade.