Ausência de chuvas em 2020 impacta safra de café e laranja

Usamos cookies para armazenar informações sobre como você usa o nosso site e as páginas que visita. Tudo para tornar sua experiência a mais agradável possível. Leia nossos Termos de Uso e Termos de Privacidade. Ao clicar em Aceitar & Fechar, você consente com a utilização de cookies.


CI
Imagem: Pixabay
EFEITOS CLIMÁTICOS

Ausência de chuvas em 2020 impacta safra de café e laranja

Fundo de Defesa da Citricultura prevê uma diminuição de 30% em relação a 2020, o que deve ser a maior quebra de safra desde 1988
Por: -Aline Merladete

No final do ano passado, a estiagem e o calor afetaram as lavouras paulistas. Os efeitos dessa condição climática podem ser sentidos na colheita das safras de 2021.  Estima-se que a produção brasileira de café deve cair em 40% em relação à temporada anterior, segundo a Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural de Minas Gerais. A laranja, produto importante para o agronegócio do estado de São Paulo, também deve sofrer com quedas. O Fundo de Defesa da Citricultura prevê uma diminuição de 30% em relação a 2020, o que deve ser a maior quebra de safra desde 1988.

Café e laranja são as duas maiores culturas de São Paulo. A produção cafeeira do estado comercializou 290,4 mil toneladas do grão em 2019, segundo o Intituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas - IBGE. Isso gerou cerca de R$ 2 bilhões. Já as lavouras paulistas de laranja são as mais importantes do mundo.

De acordo com as informações da assessoria, as mais de 13 milhões de toneladas da fruta produzidas pelo estado, em 2019, representaram 77% de toda a produção brasileira. Segundo o sistema FAESP/SENAR, o estado de São Paulo responde por cerca de 96% da exportação nacional de suco de laranja, sendo que a cadeia citrícola paulista engloba 13 mil citricultores.

"São Paulo vem sofrendo com a falta de chuva nos últimos anos, o que começou a afetar a nova colheita. Por mais que possamos prever, infelizmente, essas condições são incontroláveis. O produtor vive em busca de fôlego para trabalhar e produzir”, relata a economista da WTK - O Seu Banco Agro. O banco digital é o primeiro a ter todas as suas operações voltadas ao agronegócio. Recentemente, a fintech começou a abrir suas primeiras contas, o que já vem gerando resultados.

Ainda, a economista ressalta: “Queremos ajudar o produtor paulista a crescer ainda mais. O Banco do Agronegócio do Brasil surgiu, também, para impulsionar o agronegócio brasileiro nesses momentos de crise. Além das contas, nossa fintech vai operar com seguros, por exemplo. Vamos ser uma solução completa para o agricultor, trabalhando sempre com segurança e respeitando a sua história.”


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink