Avanço chinês na edição genética de culturas preocupa EUA

PREOCUPAÇÃO

Avanço chinês na edição genética de culturas preocupa EUA

Outro ponto que preocupa os americanos é o surgimento de tecnologias emergentes mais econômicas do que as utilizadas nos EUA
Por: -Leonardo Gottems
652 acessos

O The Wall Street Journal afirmou em uma publicação no domingo (06.05) que os avanços chineses na edição genética de culturas estão preocupando acadêmicos e setores indústrias relacionados ao meio agrícola norte-americano. De acordo com o jornal, a preocupação dos Estados Unidos é que a China saia na frente em relação aos avanços científicos agrícolas, o que pode fazer com que os americanos sejam dependentes de sua tecnologia de edição genética. 

A China já deu indicativos de que pretende investir para ser líder no setor, um desses esforços recentes pode ser notado na compra da gigante Syngenta pela estatal chinesa ChemChina em 2017, que já está construindo um centro em Pequim para o desenvolvimento de uma tecnologia de ponta na edição genética, apostando no CRISPR como novo método de alteração de DNA.  Erik Fyrwald, executivo-chefe da Syngenta, afirmou que a empresa está investindo milhões na edição genética, que pretende aproveitar as pesquisas realizadas em universidades do país e que "o governo apóia muito essa tecnologia na China".  

Outra ponto que inquieta os americanos é o surgimento de tecnologias emergentes que são mais econômicas do que as utilizadas nos EUA. Uma delas é a Talen, que oferece maneiras mais rápidas e baratas para edição de genes do que as práticas biotecnológicas que resultaram em culturas genéticamente modificadas em  90% dos campos de milho e soja dos EUA. 

Além disso, as novas técnicas de edição de genes permitem mudanças sem adição de nenhum DNA estranho, alcançando bons resultados com uma regulamentação muito mais flexível. Bob Stallman que já liderou a American Farm Bureau Federation e atualmente é produtor de arroz e gado no Texas, acredita que a China está dando mais atenção a essa tecnologia, o que pode ser prejudicial para o desenvolvimento econômico dos EUA. "Minha maior preocupação é o fato de os EUA estarem cancelando o financiamento público para a pesquisa, enquanto os chineses estão avançando", finaliza. 

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink