Avanço da Aquicultura no Brasil depende de atualização de legislação, criada em 1961

Agronegócio

Avanço da Aquicultura no Brasil depende de atualização de legislação, criada em 1961

Para Eduardo Ono não deve existir nenhuma atividade mais complicada do ponto de vista legal do que a aquicultura
Por:
4396 acessos

Para Eduardo Ono não deve existir nenhuma atividade mais complicada do ponto de vista legal do que a aquicultura

Entre 11% e 13% da água doce superficial do planeta está no Brasil. Contudo, com todo esse contingente hídrico, o País ainda precisa importar anualmente 400 toneladas de peixes para abastecer sua demanda interna.  Um contraste com o potencial “subaproveitado” de produção aquícola, reconhecido por especialistas de todo o mundo. Grande parte desse cenário é consequência de gargalos que o setor enfrenta, principalmente no que diz respeito à legislação, criada em 1961.

Para o presidente da Comissão Nacional de Aquicultura da Confederação da Agricultura e Pecuária da CNA, o agrônomo Eduardo Ono, entre as atividades de produção animal, não deve existir nenhuma mais complicada do ponto de vista legal do que a aquicultura.  “É a que tem o maior número de regras e exigências a serem cumpridas”, frisou Ono durante o 1º workshop Inserção da Aquicultura no Agronegócio, realizado pela Comissão, nesta quarta-feira (05/10), na sede da CNA, em Brasília.

Segundo o agrônomo, desburocratizar a cadeia é um dos principais desafios, principalmente na questão das legislações ambientais e do uso de água da união. “Não podemos fazer avanços tecnológicos na indústria, pois as normas são da década de 60 e as regras são tão obsoletas que não permitem tecnologias e mudanças”. O presidente afirmou que dessa maneira não tem como o setor aquícola avançar. “É preciso criar mecanismos para que a legislação possa ser escrita e construída de uma forma mais inteligente. E não fiquem caducas da noite para o dia”.

Eduardo Ono ressaltou que o setor precisa aumentar sua participação na elaboração dessas normas, uma vez que os representantes e produtores conhecem a dinâmica da cadeia. “Não somos contra as regras. Elas são essências para nossa sobrevivência. No entanto, precisam ser construídas por pessoas que entendam do setor”.

Outros desafios, de acordo com o presidente da Comissão, são: unir o setor, melhorar o acesso ao mercado, conquistar a confiança do consumidor, aumentar a oferta do produto, aprimorar a padronização dos produtos, tornar a cadeia de comercialização mais eficiente para reduzir preços ao consumidor, uma vez que pescado no Brasil ainda é considerado um alimento de luxo, pelos preços caros. “Em relação ao consumidor, temos que mostrar confiança e dar segurança alimentar, com certificado”, finalizou.


Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink