BA discute estratégia para tornar Salvador principal opção de escoamento
CI
Agronegócio

BA discute estratégia para tornar Salvador principal opção de escoamento

As intervenções acrescentaram uma área de 44 mil metros quadrados, totalizando 118 mil metros quadrados
Por:
Com a finalidade de incrementar as exportações agropecuárias do Estado da Bahia via o Porto de Salvador, a Secretaria Estadual da Agricultura e a diretoria do Terminal de Contêineres do Porto de Salvador (Tecon) se reuniram, na última sexta-feira (10), buscando definir estratégias para que as cargas agrícolas voltem a ser movimentadas, de forma mais significativa, no terminal. O secretário da Agricultura, engenheiro agrônomo Eduardo Salles, e o superintendente de Atração de Investimentos da Seagri, Jairo Vaz, foram convidados para conhecer as instalações que estão sendo modernizadas e ampliadas.


Embora o Porto de Salvador ofereça a menor distância entre os polos produtores, o escoamento da produção agrícola se concentra em outros portos, devido a entraves burocráticos que atrasam a expansão da sua capacidade instalada. De lá pra cá, após autorização para o aditivo do contrato com a Companhia das Docas do Estado da Bahia (Codeba) e a Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq), em setembro de 2010, esse cenário vem sendo modificado.

Com investimentos da ordem de R$ 180 milhões, a Tecon Salvador pôde investir em novos equipamentos e após a dragagem realizada pela Codeba por solicitação do governo estadual permitir a atracação dos maiores navios cargueiros do mundo. As intervenções acrescentaram uma área de 44 mil metros quadrados, totalizando 118 mil metros quadrados. Com o incremento no terreno, o berço de atracação chegou a 377 metros. A previsão é que até julho de 2012 a capacidade seja duplicada, o que representa incremento de 663% na produtividade.

De acordo com o diretor-executivo da Tecon Salvador, Demir Lourenço, a carga movimentada na Baía de Todos-os-Santos responde por 30 milhões de toneladas por ano, através dos portos de Salvador, Aratu e terminais de uso privativo. “O nosso desafio é fazer com que essas cargas saiam da capital, atraindo novos investimentos agropecuários e industriais. Desta forma, as restrições operacionais vão ficando para trás, aumentando a competitividade dos produtos baianos”.


A equipe da Tecon Salvador apresentou ao secretário um mapeamento realizado com produtores e exportadores, para entender o porquê de apenas 38% do café baiano ser escoado no estado. A iniciativa teve como meta verificar quais ações devem ser aplicadas para reverter o quadro. Um mapa produtivo divulgou ainda as vantagens competitivas, como redução do tempo de trânsito da área de produção ao porto, do custo do frete rodoviário e da distância percorrida e deslocamento, evitando acidentes, roubo de carga e avarias.

A parceria entre Seagri e Tecon para ampliar a exportação de algodão vem dando resultados. O segundo maior produtor de algodão do País vem trabalhando para diminuir a participação do Porto de Santos no escoamento. A realização de encontros técnicos de logística portuária vem aumentando o índice de confiança dos membros da cadeia do algodão. O saldo disso é que grandes exportadoras do segmento já exportam por Salvador, a exemplo da Dreyfus, Noble, Eisa, Gelncore e Maeda.

Com os ‘portêineres’, as obras de ampliação e dragagem, a utilização do espaço do terminal será otimizada, a intenção é fazer frente à Pecém, em Fortaleza, responsável por escoar mais de 11,9 mil toneladas de frutas da Bahia. Em 2011, o Porto Salvador exportou apenas 3.167 toneladas de frutas (melão, mamão, uvas, manga, abacaxi, banana, laranja, lima e limão).


Confirmando o grande interesse por parte dos estrangeiros por produtos agropecuários com qualidade e regularidade da Bahia, o Porto de Salvador, administrado pela Tecon, vem aumentando as potencialidades do negócio, através de ações comerciais como o projeto de conteinerização da soja – a granel ou sacaria e o novo serviço marítimo de navios com linha direta para a Ásia.

O secretário Eduardo Salles conferiu todas as vantagens competitivas da conteinerização e colocou à disposição toda sua equipe com o objetivo de mudar o cenário das exportações baianas. O trabalho conjunto já rendeu a implantação de uma linha direta para a China e ampliação da exportação de algodão de menos de 1% para pelo menos 30%.

Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink

Usamos cookies para armazenar informações sobre como você usa o site para tornar sua experiência personalizada. Leia os nossos Termos de Uso e a Privacidade.