BASF dá dicas para o controle da ferrugem asiática na soja

Agronegócio

BASF dá dicas para o controle da ferrugem asiática na soja

Manejo correto da soja reduz o risco com a doença e aumenta a produtividade no campo
Por:
1859 acessos

O manejo correto da soja reduz o risco com a doença e aumenta a produtividade no campo

Uma maior produtividade e rentabilidade no cultivo da soja dependem da utilização correta de boas práticas agrícolas. Entre os fatores que podem impactar no rendimento de grãos está a ferrugem asiática, doença presente em todo o país e que provoca perdas significativas na lavoura de soja. Nesse sentido, a BASF preparou algumas dicas de manejo para o controle da doença na soja.
 
A ferrugem asiática é considerada a principal doença do cultivo da soja no Brasil, principalmente pela sua agressividade, favorecida pelo clima nas diversas regiões onde a oleaginosa é cultivada, e por conseguir se propagar facilmente pelo vento. Os sintomas iniciais que evidenciam a ocorrência do fungo são lesões cinzas nas folhas que aparecem em qualquer estágio de desenvolvimento da planta.
 
O mais importante fator na disseminação e propagação da doença nas lavouras comerciais é a presença de plantas voluntárias na área. Segundo dados da Embrapa, 5 estados brasileiros já possuem registros desse tipo de contaminação, destaque para Mato Grosso, São Paulo e Paraná. 
 
“Nós temos um cenário extremamente favorável para multiplicação das doenças. Para evitar a disseminação da praga é muito importante o conhecimento das características da região que ajudam na proliferação da ferrugem, como o clima, altitude, época de semeadura e o manejo correto da lavoura” comenta o Valtemir José Carlin, parceiro da BASF e engenheiro agrônomo.
 
Algumas técnicas de controle da ferrugem asiática no campo podem auxiliar na convivência com este fungo, porém o grande desafio está no uso de soluções eficientes e que contribuam para o manejo de resistência ao fungo. 
 
Confira abaixo as ferramentas que podem ajudar no controle da ferrugem asiática:
 
- Escolha de sementes certificadas: Na busca por uma lavoura de soja produtiva e rentável o agricultor deve estar atento na hora de escolher sementes certificadas e de qualidade, já que são essenciais para alcançar bons resultados.

- Considerar os fatores de escape sempre que possível: Escalonamento de semeadura em relação ao ciclo da cultura. Fazer a semeadura sempre que o clima estiver favorável, esta prática favorece o desenvolvimento uniforme das plantas, minimiza a incidência de doenças e o risco de replantios.  

- Qualidade de aplicação: Utilização de equipamentos conservados, com pontas em bom estado, dosagem corretas, taxa de aplicação adequada ao estágio da cultura, além de cuidar da temperatura e ventos no momento da aplicação, são alguns pontos que dever ser observados.

- Respeitar a bula do produto: Seguir as orientações inerentes de cada produto presentes na bula, como por exemplo dosagem, taxa de aplicação, o intervalo entre aplicações, momento da aplicação em relação à temperatura, presença ou ausência do fungo e presença de ventos.

- Uso de fungicidas protetores: Este grupo de produtos é muito importante no manejo da resistência e atua de forma preventiva, controlando a doença mesmo antes de sua penetração nos tecidos vegetais da planta. Para melhores resultados e aproveitamento desta ferramenta é importante associar com a aplicação de produtos sistêmicos. 

- Entender a dinâmica de cada epidemia: Consulte sempre um profissional habilitado para extrair o melhor resultado de cada ferramenta.  

- Monitoramento: É preciso adotar uma estratégia de monitoramento contínuo das lavouras para que a tomada de decisão do produtor rural seja cada vez mais assertiva.

A BASF possui um portfólio completo de soluções voltadas à proteção do cultivo da soja, que inclui serviços e produtos específicos para o combate da ferrugem asiática. Para mais informações consulte o nosso site http://www.agro.basf.com.br/agr/ms/apbrazil/pt_BR/ ou ligue para o Serviço de Atendimento ao Cliente da empresa no 0800 0192 500.


Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink