Biosev mantém usina em Mato Grosso Sul sem operar após reunião com governo do Estado

Usina

Biosev mantém usina em Mato Grosso Sul sem operar após reunião com governo do Estado

Setor sucroenergético brasileiro está de olho na Política Nacional de Biocombustíveis (RenovaBio)
Por:
19 acessos

A Biosev, uma das maiores processadoras de cana do mundo, manteve a decisão de não operar no próximo ano a usina de Maracaju, em Mato Grosso do Sul, após uma reunião na terça-feira entre o presidente da companhia, Rui Chammas, e o governador do Estado, Reinaldo Azambuja.

No encontro, realizado em São Paulo, foi discutida justamente uma eventual retomada das atividades industriais da usina, cujas operações, vistas como importantes para o município do Maracaju, foram suspensas no início do mês visando reduzir os custos da empresa.

“A suspensão das operações industriais da unidade da Biosev em Maracaju está mantida para a safra 2018/19”, disse a companhia, que é braço sucroenergético da operadora de commodities Louis Dreyfus, em nota enviada à Reuters.

“A Biosev reforça que a decisão contribui para otimizar a utilização de capacidade neste polo e visa capturar sinergia operacional com outras unidades da companhia no Estado, para reduzir seu custo de produção, trazendo ainda mais resiliência para a geração de caixa.”

Na nota, a companhia reiterou que a cana proveniente da operação agrícola em Maracaju será direcionada para as unidades Passatempo e Rio Brilhante.

“A empresa seguirá analisando as condições operacionais locais e a demanda de mercado para avaliar a viabilidade de retomada das atividades industriais da Unidade Maracaju em safras futuras”, concluiu a Biosev.

A suspensão das atividades em Maracaju ocorreu em um momento em que outras empresas, como Raízen e Glencore, buscam expandir seus negócios, inclusive com a aquisição de usinas em dificuldades financeiras.

O setor sucroenergético brasileiro está de olho na Política Nacional de Biocombustíveis (RenovaBio), cujo projeto de lei foi aprovado na noite de terça-feira na Câmara dos Deputados.

A expectativa é de que o RenovaBio estimule o uso crescente de renováveis, gere investimentos de 1,4 trilhão de reais e economia de 300 bilhões de litros em gasolina e diesel importados até 2030.

Além disso, o RenovaBio pode dar suporte aos preços do açúcar em 2018, uma vez que estimularia a fabricação de álcool em detrimento do adoçante, segundo o JPMorgan.

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink