Safra

Biosev prevê queda em safra de cana 2018/19 do centro-sul

Fechamentos de usinas devem reduzir a capacidade de moagem no centro-sul do Brasil
Por:
247 acessos

A Biosev, braço sucroenergético da operadora de commodities Louis Dreyfus, projetou nesta terça-feira uma safra de cana menor no centro-sul do Brasil em 2018/19, com 586 milhões de toneladas, ante 599 milhões de toneladas em 2017/18.

As usinas em geral reduziram a renovação de canaviais e cortaram o trato cultural para diminuir custos, o que levou a companhia a estimar uma menor safra no próximo ano, disse o CEO da Biosev , Rui Chammas, a repórteres após apresentação a investidores em São Paulo.

“Também temos visto usinas paradas. Suspendemos a produção em uma planta, a Raízen desligou outras duas, a Renuka demitiu muitos funcionários e pode não operar na próxima safra”, disse Chammas.

Tais fechamentos de usinas devem reduzir a capacidade de moagem no centro-sul do Brasil.

Chammas acrescentou que a Biosev, segunda maior processadora de cana do mundo, atrás apenas da Raízen, optou por impulsionar o corte de custos mais cedo neste ano, preparando-se para um possível mercado com preços de açúcar mais baixos.

Mas as mudanças nas cotações do petróleo e uma nova política de formação de preços de combustíveis pela Petrobras, em linha com valores internacionais, melhoraram os prognósticos para vendas domésticas de etanol, o que pode acarretar em alta nos futuros do açúcar.

A Biosev espera que a alta no petróleo e na gasolina e a recuperação da economia brasileira impulsionem a demanda por álcool mais barato nos próximos meses. Ambos os combustíveis são concorrentes diretos no Brasil, já que boa parte da frota de veículos do país se move tanto a etanol quanto a gasolina.

A empresa também vê a aprovação do RenovaBio na Câmara dos Deputados como algo positivo.

Chammas disse que a companhia está ativamente acompanhando os futuros da gasolina nos Estados Unidos como um meio de ajustar sua estratégia para o etanol no Brasil. Ele avalia que no curto prazo poderá ser possível para as usinas realizar o hedge de vendas de etanol usando-se tais futuros, desde que fique claro que a Petrobras manterá sua política de preços.

O centro-sul do Brasil está terminando a colheita da safra deste ano, que deverá ser menor que a do ciclo anterior. Muitos analistas esperam uma redução também no próximo ano devido a condições climáticas desfavoráveis e canaviais envelhecidos.

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink