Biotecnologia impede acúmulo de metais pesados no solo

Imagem: Pixabay

GENÉTICA

Biotecnologia impede acúmulo de metais pesados no solo

Pesquisa trabalha com a absorção das plantas
Por: -Leonardo Gottems
169 acessos

A engenharia genética, bem como as novas técnicas de edição de genes, oferece uma abordagem disruptiva para o desenvolvimento de culturas que não acumulam metais pesados (naturalmente presentes em várias regiões do mundo), especialmente no arroz, onde há um sério problema no acúmulo de arsênico, composto altamente carcinogênico. Foi isso que afirmou Dibakar Das, do geneticliteracyproject.org. 

De acordo com a publicação, a presença de elementos tóxicos como arsênico, cádmio, chumbo e mercúrio, especialmente em arroz e produtos alimentícios à base de arroz, é uma preocupação séria, exigindo atenção urgente das políticas públicas. O arsênico, um carcinógeno humano classe I, é encontrado em quantidades substanciais no arroz cultivado em países do sudeste asiático, como Índia, Bangladesh, partes da China e Estados Unidos. 

“Pesquisas recentes sobre alimentos para bebês, de fabricantes líderes nos Estados Unidos, descobriram que 95% continham chumbo, 73% continha arsênico, 75% continham cádmio e 32% continham mercúrio. Cerca de 25% dos alimentos testados continham os quatro elementos tóxicos, embora em níveis que é improvável que representam um risco para a saúde humana. Quase 75% das amostras analisadas na Austrália, eles continham arsênico inorgânico que excedia o limite máximo de segurança da UE para bebês e crianças”, indica. 

Depois que o arsênico e outros elementos tóxicos entram no sistema da planta através de canais na membrana, um tipo de poro que permite a passagem de nutrientes e outras substâncias, eles formam complexos com um tipo de molécula chamada fitoquatinas(PC). Esses complexos são arrastados e esvaziados em vacúolos por alguns genes transportadores, genes que ajudam a transportar substâncias através das membranas biológicas. 

“Uma estratégia simples para produzir arroz tolerante ao arsênico é identificar novas versões desses genes a partir do germoplasma disponível e transferi-los para variedades de arroz de alto rendimento por polinização artificial e usando marcadores de DNA para seleção. A vantagem dessa abordagem é que as variedades desenvolvidas requerem apenas o mesmo nível de regulamentação aplicado às variedades tradicionais”, conclui. 


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink