Biotecnologia terá investimento de R$ 10 bilhões em dez anos
CI
Agronegócio

Biotecnologia terá investimento de R$ 10 bilhões em dez anos

A verba será aplicada nas áreas de saúde, agricultura, indústria e ambiente
Por:

O governo federal instituiu nessa quinta-feira (08-02) uma política nacional de biotecnologia, que será direcionada para quatro áreas (saúde humana, agropecuária, industria e ambiente) e tem o objetivo de injetar R$ 10 bilhões no setor nos próximos dez anos. O plano é colocar o Brasil entre os países líderes em biotecnologia daqui a alguns anos, mas depende do engajamento do setor privado, que até agora não encampou o negócio.

O ministro da Ciência e Tecnologia, Sergio Rezende, citou um fundo de R$ 90 milhões do qual só a metade foi gasta, por falta de interessados. O objetivo, com a criação da política nacional de biotecnologia, é o de tentar reverter esse quadro. Outro ministro, Luiz Fernando Furlan (Desenvolvimento), explicou que em 2007 haverá R$ 1 bilhão disponível para a área. A idéia é que no início o setor público contribua com 60% das verbas para pesquisa, e o privado, com o restante. Ao longo dos próximos dez anos, essa proporção deve ser alterada para meio a meio.

"Não há limitação que estreite o financiamento de projetos", afirmou Furlan. Segundo os dois ministros, "pela primeira vez na história" o governo poderá colocar dinheiro público, a fundo perdido, em empresas privadas com o objetivo de pesquisa e desenvolvimento. A política nacional de biotecnologia foi instituída pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em cerimônia ontem no Palácio do Planalto. "O Brasil, com 20% da biodiversidade do mundo e detentor de imensas florestas, reúne trunfos que nos credenciam a ocupar um lugar de destaque neste novo vetor do desenvolvimento. A meta é acionar esse potencial, para que nos próximos dez ou quinze anos nosso país figure entre os cinco maiores pólos mundiais de pesquisa, geração de serviços e produtos da biotecnologia", disse.

Transgênicos

A palavra "biotecnologia" é um guarda-chuva sob o qual se abrigam diversas áreas das ciências biológicas que podem alterar a vida das pessoas. Elas incluem novas vacinas, medicamentos, métodos de plantio e variedades de plantas -incluindo as transgênicas-, tecnologias de criação animal e várias outras áreas. "O objetivo não é substituir importações, mas o desenvolvimento desses produtos vai reduzir as compras em várias áreas", disse o secretário de Política Industrial do Ministério do Desenvolvimento, Antonio Sérgio Mello.

Na área de biotecnologia industrial um exemplo é o desenvolvimento de enzimas utilizadas para a fabricação medicamentos, como insulinas e hormônios de crescimento. Para a agropecuária serão desenvolvidas e comercializadas enzimas para fabricar produtos para plantações afetadas pelas mudanças climáticas.

Comitê

Também será criado um Comitê Nacional de Biotecnologia, com integrantes de 17 ministérios ou entidades, para coordenar o desenvolvimento da área. O governo também já anunciou que vai fazer uma série de pequenas mudanças em leis, para incentivar o setor. Entidades do setor elogiaram o lançamento do plano. "Existe capacitação nas universidades e nos centros de pesquisa. É preciso agora promover o escoamento do conhecimento para a indústria, a agricultura e a saúde", afirmou, por e-mail, Leila Oda, pesquisadora da FioCruz e presidente da Associação Nacional de Biossegurança.


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink