BNDES destina R$ 2 milhões para cadeia produtiva do mel no Pará e Amapá

Agronegócio

BNDES destina R$ 2 milhões para cadeia produtiva do mel no Pará e Amapá

Ação vai beneficiar 310 produtores em 5 municípios
Por:
1154 acessos

Receba Notícias como esta por email

Cadastre-se e receba nossos conteúdos gratuitamente
Obrigado por se cadastrar
  • Enviamos a você um email de boas vindas para ativação de seu cadastro.

O Fundo Amazônia, gerido pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), apoiará o fortalecimento da cadeia produtiva de mel de abelha nativa nos municípios de Curuçá, Almeirim e Monte Alegre, no Estado do Pará, e Macapá e Oiapoque, no Estado do Amapá. 

Desenvolvido pela organização sem fins lucrativos Instituto Peabiru, o Programa de Abelhas Nativas em Comunidades Tradicionais foi selecionado pela Chamada Pública de Projetos Produtivos Sustentáveis e será apoiado com R$ 2 milhões em recursos não reembolsáveis.

Para geração de renda complementar a partir da venda de mel, 310 produtores de 30 comunidades rurais — quilombolas, indígenas, ribeirinhas e extrativistas — dos cinco municípios receberão capacitação técnica em meliponicultura, criação de espécie de abelha sem ferrão.

As comunidades beneficiadas já trabalham desde 2006 com a produção de mel destinada ao consumo alimentar e à farmácia popular, mas o volume produzido é baixo. O projeto apoiado pelo Fundo Amazônia busca ampliar a infraestrutura produtiva e formalizar a distribuição, para valorizar a comercialização do produto.

Além de visar à inclusão social, o apoio objetiva reduzir emissões por desmatamento e degradação. Estudo realizado pelo Instituto Peabiru concluiu que cada quilo de mel produzido evita 16 quilos de carbono decorrentes de queimadas e desmatamento.

Chamada Pública – A Chamada Pública de Projetos Produtivos Sustentáveis resulta de uma demanda dos representantes da sociedade civil no Comitê Orientador do Fundo Amazônia (COFA). Lançada em fevereiro de 2012, a Chamada tem orçamento total de R$ 100 milhões.
Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink