Boa oportunidade para a cafeicultura familiar
CI
Agronegócio

Boa oportunidade para a cafeicultura familiar

Segmento tem maior chance de atender à demanda futura pelo grão
Por:
Departamento de Café da Rural avalia que o segmento é o que tem maior chance de atender à demanda futura pelo grão
 
O Departamento de Café da Sociedade Rural Brasileira acredita, assim como especialistas do mercado, que nos próximos 10 anos os consumidores mundiais do grão demandarão um adicional de 30 milhões de sacas/ano. A informação, considerando o mercado doméstico, é ratificada pela Associação Brasileira da Indústria do Café (Abic) em sua pesquisa anual sobre as tendências de consumo de café, que revela um crescimento constante nos últimos anos. De 2009 para 2010, o incremento foi na ordem de 4%. A previsão para 2011 é que haja aumento de aproximadamente 5%, podendo chegar ao volume de 20,27 milhões de sacas.
 
Para o diretor do departamento, Luiz Marcos Suplicy Hafers, mesmo com as turbulências financeiras atuais e possíveis nos próximos anos, acredita-se que a entrada de novos consumidores no mercado, principalmente nas economias emergentes asiáticas – em função da continua elevação de renda e da emulação de hábitos ocidentais de consumo –, gerará este incremento. “Também nos demais países produtores, sem tradição de consumo de café, se observa importante aumento da demanda”, ressalta.
 
Esse cenário é interessante para o Brasil, maior produtor de café do mundo. A questão, porém, segundo os integrantes do Departamento de Café da Rural é que, apesar de o País ter potencial para suprir parte significativa da demanda adicional, é crescente o consenso de que o aumento da produção em 2012 não será suficiente para abastecer o mercado dos próximos dois a três anos, dada a drástica diminuição dos estoques da safra atual.
 
Além disso, existe a preocupação com os altos custos de produção, principalmente por conta da elevação do componente mão de obra, que tirou grande parte da competitividade nacional. “Isto nos leva a crer que os segmentos com maior probabilidade de suprir o aumento de produção devem ser a cafeicultura familiar, com menores custos em decorrência de encargos sociais e tributação mais baixos, e os produtores com potencial de expansão em áreas mecanizáveis”, comenta Hafers.
 
Países produtores – Em comunicado, o Departamento de Café da Rural ressaltou tentar avaliar quais países produtores poderão, juntamente com o Brasil, atender ao crescimento no consumo pelo café. Entre as poucas exceções com capacidade significativa para isso estão Honduras e Peru, mas não deixaram de destacar as iniciativas de empresas como a Starbucks Coffee Company, que está com um projeto de produção na China, e a Nestlé, cuja programação é incentivar o cultivo sustentável de café também no México, Tailândia, Filipinas e Indonésia.
 
No Brasil, a menor variação de produção entre os ciclos bianuais, aliada à seca deste ano, impossibilitará o País de colher uma safra recorde no próximo ano. Avaliações recentes nas principais regiões produtoras indicam pegamento menor da florada e reforçam a impressão de que teremos uma safra bem menor que inicialmente era previsto.
 
Preço – Outro ponto analisado pelos diretores da Rural refere-se aos valores de comercialização da safra. De acordo com Hafers, no curto prazo, não se vê risco de “colapso” de preços, como aventado por analistas internacionais, em função das restrições impostas por um fluxo bem complicado que não parece ter soluções em curto prazo. “Mas fazemos a ressalva do poder de manipulação de mercado dos grandes players financeiros, que já vimos muitas vezes terem capacidade para levar o mercado em direções opostas aos fatores fundamentais para realização de suas estratégias coletivas. Infelizmente, a analise fundamental muitas vezes fica comprometida com a movimentação dos mercados pelos fundos e pela conjuntura cambial.”
 
Números do setor
 
# Produção 2011(Conab): 43,15 milhões de sacas beneficiadas (arábica e conilon); 10,3% inferior ao volume produzido na safra anterior.
 
# Área em produção: 2.051,5 mil hectares.
 
# Consumo nacional (Abic): 19,13 milhões de sacas (referência de Nov/2009 a Out/2010); consumo per capita de 6,02 kg de café em grão cru ou 4,81 kg de café torrado, o que representa quase 81 litros/brasileiro/ano.
 
# Comparativo com outras bebidas: É a segunda entre as nove principais bebidas consumidas pelo brasileiro. 95% dos entrevistados na pesquisa “Tendências de Consumo de Café” da Abic responderam consumir café.

Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink

Usamos cookies para armazenar informações sobre como você usa o site para tornar sua experiência personalizada. Leia os nossos Termos de Uso e a Privacidade.