Boa parte das obras de rodovias do Arco Norte estão paralisadas, afirma Dnit

Agronegócio

Boa parte das obras de rodovias do Arco Norte estão paralisadas, afirma Dnit

As obras na BR 163, na divisa dos estados de Mato Grosso e Pará estão 66% executadas, com previsão de finalização em dezembro de 2017
Por:
1744 acessos

De acordo com o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit), dos 21 trechos das principais rodovias brasileiras, boa parte encontra-se com menos de 50% dos projetos executados ou ainda em fase de implantação, especialmente no Arco Norte. A situação crítica da infraestrutura das estradas nacionais se deve ao contingenciamento dos recursos públicos, desapropriação de terras, demora nas licenças ambientais, erros na concepção de alguns projetos e na reformulação dos mesmos. Os projetos ainda têm R$ 1 bilhão disponíveis até dezembro de 2016 pela Lei Orçamentária Anual (LOA).

Um exemplo da situação das obras é o da BR 163, na divisa de Mato Grosso e Pará. Segundo o Dnit, as obras estão 66% executadas, com previsão de finalização em dezembro de 2017. “Essa rodovia é importantíssima. Ela encurta a distância entre os produtores mato-grossenses e as infraestruturas destinadas à exportação. Deixaríamos de escoar a produção pelos portos do Sul e Sudeste e utilizaríamos, com maior frequência, os portos de Belém”, observou a assessora técnica da Comissão da Confederação Nacional da Agricultura (CNA), Elisangela Pereira Lopes.

Segundo Elisangela, com a proximidade dos portos do Arco Norte, o produtor teria redução de custo de transporte de grãos de US$ 46 dólares por tonelada, de um total médio, atualmente, de US$ 126 por tonelada, em relação à rota com destino ao porto de Santos. “O valor do transporte cairia para US$ 80 ao se transportar por caminhão pela BR-163 até Miritituba/PA e com o uso do rio Amazonas até os portos de Belém”, explicou.

A expectativa da Comissão da CNA é que o novo governo e o seu Programa de Parcerias de Investimento (PPI) criem oportunidades para que a iniciativa privada invista nas principais rodovias de grande escoamento de produção agropecuária. “Além de investimentos é necessário que se adote medidas que acelerem a emissão de licenças ambientais e solucionem os conflitos em áreas que abrangem terras indígenas, para que os principais entraves que paralisam obras de infraestrutura sejam resolvidos”.

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink