Bovinos: Freio sobre a demanda egípcia derruba exportações de MT

Agronegócio

Bovinos: Freio sobre a demanda egípcia derruba exportações de MT

Cortes foram os únicos do complexo carne a registrar desempenho negativo ante 2010
Por:
581 acessos
Cortes foram os únicos do complexo carne a registrar desempenho negativo ante 2010

Seguindo o movimento de queda nas exportações de carne bovina, que recuaram 9% no mês de abril, o volume de vendas para o Egito – um dos principais destinos do produto mato-grossense – apresentou redução de 46% no primeiro quadrimestre do ano, em relação a 2010. Com um embarque de 260 toneladas no mês de abril, por exemplo, a queda foi de 81% em relação a igual mês do ano passado. Com isso, a importação de carne bovina pelos egípcios atingiu seu menor valor em seis anos, de acordo com levantamento do Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea).


Desde 2010, o bloco Oriente Médio passou a ser o maior mercado da carne bovina mato-grossense ultrapassando a Rússia. De janeiro a dezembro do ano passado, 33% das exportações de cortes bovinos do Estado tiveram o bloco como destino, especialmente o Egito.

A carne bovina foi a única a registrar desempenho negativo dentro do complexo carne (bovina, aves e suína) no acumulado das exportações mato-grossenses deste primeiro quadrimestre do ano. O complexo em si, puxado pela expansão dos embarques de aves (+22,8%), cresceu 6,5% em relação ao obtido em igual período do ano passado. Já as exportações de carnes bovinas acumulam em 2011, queda de 7,3% quando comparada ao contabilizado entre os meses de janeiro a abril de 2010. Além da crise política naquele país, os importadores se deparam com a valorização dos preços internacionais dos cortes. No período de comparação a alta é de 20,9%, a segunda maior do complexo, atrás apenas da carne de frango, cuja alta é de 38,2%.


“Portanto, este importante destino da nossa carne, que passa por uma reforma política, vem reduzindo gradativamente suas compras, exercendo grande influência negativa no desempenho anual das exportações. Como se não bastassem todos os problemas pelos quais este parceiro comercial vem passando, o preço médio da tonelada encaminhada para lá vem registrando um crescimento contínuo, chegando no mês de abril à cifra de US$ 3.195/tonelada”, avalia o Instituto. De abril de 2010 a abril passado, a evolução do preço foi de 32%.

Números da Secretaria de Comércio Exterior (Secex) do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio, apontam que as exportações mato-grossenses de carne bovina no mês de abril continuaram abaixo dos níveis alcançados no mesmo período do ano anterior, totalizando 14,8 mil toneladas em equivalente carcaça, número 2,9% menor ao mês de março e 22,2% inferior ao registrado no mesmo período de 2010.


O menor desempenho observado nas exportações foi influenciado pelo aumento do valor recebido pelo produto no mercado internacional. O valor da tonelada exportada, que em março foi de US$ 3.777,40/tonelada, passou para US$ 3.853,26/tonelada em abril, obtendo aumento de 2% no mês e de 35,4% na comparação com abril do ano anterior, quando registrou o valor de US$ 2.846,76/tonelada. Essa elevação do preço da carne exportada ocorreu em razão da combinação do aumento da demanda interna com a pouca disponibilidade de boi gordo no país.

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink