Brasil desponta como promissor na produção de orgânicos
CI
Agronegócio

Brasil desponta como promissor na produção de orgânicos

Por apresentar uma oferta diversificada, o Brasil já ocupa posição privilegiada entre os países produtores de orgânicos
Por:

Por apresentar uma oferta diversificada, o Brasil já ocupa posição privilegiada entre os países produtores de orgânicos, embora ainda precise desenvolver os recursos que o promoverão da vaga de fornecedor de matérias-primas para a de exportador de gêneros para o consumo direto. A constatação não escapou à delegação brasileira que participou da Biofach, realizada em fevereiro, em Nurembergue, na Alemanha. A feira reuniu 2.566 expositores de 116 países e atraiu 45 mil visitantes.

Em franca expansão, o mercado internacional - que já absorve 70% da produção brasileira - busca soluções para uma demanda que cresce aceleradamente. Faltam produtos e o Brasil, com seus mais de seis milhões de hectares ainda por cultivar, é forte candidato à segunda colocação, atrás da Austrália, líder do segmento (oito milhões de hectares plantados).

Para Ming Chao Liu, gerente do projeto Organics Brasil, uma iniciativa surgida no Paraná desenvolvida pela APEX-Brasil e o Instituto Paraná Desenvolvimento (IPD), a imagem de grande provedor de ingredientes – a exemplo de café, cacau, açúcar, cereais e soja – precisará ser modificada, para que o país passe a ser reconhecido como fornecedor de produtos finalizados como biscoitos, cookies, sucos e geléias, "até chegar num nível de sofisticação maior, como o dos cosméticos", completa Chao Liu.

De acordo com ele, esta mudança começaria pela regulamentação do setor de orgânicos (cuja legislação é aguardada para este ano), passaria pela convergência da produção para um mesmo pólo – em termos atuais, ela está "pulverizada" pelo país –, e pela superação da pouca estrutura logística. Uma vez cumpridos, estes objetivos reforçarão o aspecto em que o Brasil está mais bem preparado – o das certificações.

Segundo Ming, até 2009, o projeto Organics Brasil pretende fixar a Marca Brasil como um selo de produtos genuinamente nacionais. A intenção é movimentar a cadeia produtiva, criar empregos e fazer com que os benefícios resultantes destes procedimentos permaneçam dentro das fronteiras brasileiras.

Perspectivas

O saldo de US$ 850 mil em negócios fechados no próprio evento e a perspectiva do fechamento de outros US$ 17 milhões em vendas nos próximos 12 meses corresponderam às expectativas dos expositores.

Tendências

Em Nurembergue, foram apresentados produtos tradicionais como o café e a cachaça, novidades como o açúcar e o arroz "biodinâmico" – e a barrinha de frutas tropicais –, além de açaí, mel, própolis, conservas, destilado de mandioca, castanhas de caju e do Brasil, roupas de algodão e cosméticos.

Mercado

Na opinião de Ming Chao Liu, a diversidade e exclusividade de matérias-primas associadas à insuficiência da produção mundial dão ao Brasil uma vantagem singular. Segundo ele, enquanto a demanda estiver acima da capacidade de produção, falar em concorrência é um equívoco. "Concorrência é desculpa para quem não consegue fazer o que tem que ser feito", finaliza. As informações são de assessoria de imprensa.


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink