Brasil rebate acusação russa de resíduo de glifosato na soja

NEGÓCIOS

Brasil rebate acusação russa de resíduo de glifosato na soja

Os níveis detectados são mais de cem vezes inferiores aos limites acordados no Codex Alimentarius
Por: -Leonardo Gottems
1160 acessos

Receba Notícias como esta por email

Cadastre-se e receba nossos conteúdos gratuitamente
Obrigado por se cadastrar
  • Enviamos a você um email de boas vindas para ativação de seu cadastro.

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) divulgou um comunicado em seu site oficial em que rebate as acusações do governo russo de que a soja exportada para o país continha resíduos de glifosato acima do permitido. Na ocasião, a Rússia alertou sobre "possível introdução de restrições temporárias à importação de soja do Brasil em caso de falha do lado brasileiro em adotar medidas corretivas o quanto antes". 

Depois que a informação foi publicada pelo Serviço Federal de Vigilância Veterinária e Fitossanitária da Rússia e enviada ao Mapa, o Ministério brasileiro afirmou que os níveis detectados são mais de cem vezes inferiores aos limites acordados no Codex Alimentarius e “não constituem, portanto, risco à saúde”. O Codex é uma coletânea de padrões reconhecidos internacionalmente, códigos de conduta, orientações e outras recomendações relativas a alimentos, produção de alimentos e segurança alimentar. 

“No Brasil, o limite máximo permitido é de 10 ppm (partes por milhão), valor mais rigoroso que o definido no Codex Alimentarius (20 ppm), mas superior ao estabelecido pelas autoridades russas, que é de 0,15 ppm. As autoridades brasileiras iniciaram processo de averiguação e investigação interna e estão em contato permanente com suas contrapartes russas, de modo a evitar solução de continuidade”, disse o comunicado publicado no site oficial do Mapa. 

De acordo com a Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais (Abiove), a entidade está aberta a conversas para estabelecer um bom caminho para ambos. "O Brasil exporta produtos de altíssima qualidade do complexo de soja para 170 países. É parceiro em negócios com a Rússia há muitos anos. Caso haja essa notificação, a cadeia produtiva nacional está aberta a tratar de todos os temas relacionados a boas práticas no comércio internacional da soja em grão e seus derivados", conclui. 

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink