Brasil será um dos maiores exportadores de alimentos, prevê FAO

Agronegócio

Brasil será um dos maiores exportadores de alimentos, prevê FAO

A palestra foi apresentada na manhã desta segunda-feira, 26
Por:
1540 acessos

A palestra foi apresentada na manhã desta segunda-feira, 26

As crescentes demandas da população mundial sobre a agricultura e sobre os recursos naturais do planeta, além do papel que o Brasil deverá exercer nesse cenário no futuro, foram abordados pelo representante da FAO (Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura) Alan Bojanic durante a conferência "O desafio da produção sustentável frente à demanda crescente por alimentos saudáveis". A palestra foi apresentada na manhã desta segunda-feira, 26, durante o 31° Congresso Nacional de Milho e Sorgo, que acontece até a próxima quinta-feira, 29, em Bento Gonçalves-RS.

"As estimativas da FAO apontam que o Brasil deverá ultrapassar as 222 milhões de toneladas de grãos até 2022", disse Bojanic. Até 2050, as projeções da instituição dão conta de que a população deverá se estabilizar em torno de 9,3 bilhões de habitantes, sendo que 70% desse contingente ocupará áreas urbanas. "Para alimentar essa população, a produção de alimentos deverá aumentar em 70%, sendo que a produção de cereais terá que atingir as três bilhões de toneladas por ano em relação aos 2,1 bilhões produzidos atualmente", prevê.

Ainda sobre o Brasil, o representante da FAO apontou que o país terá vantagem competitiva na conjuntura mundial em decorrência das demandas por produtos como as carnes e os cereais e a importância crescente do mercado asiático e, potencialmente, do mercado africano. Segundo relatório de 2014 da OMC (Organização Mundial do Comércio), o Brasil ocupa a terceira posição entre os maiores exportadores mundiais de alimentos, ranking liderado pela Europa e os Estados Unidos.

No entanto, para se consolidar nessa posição estratégica, continua Bojanic, o país deverá vencer importantes ameaças. "O aquecimento global é o grande desafio que os países têm para produzir alimentos. Temos que nos preparar para contornarmos problemas sérios, como a erosão dos solos e a contaminação e o mal uso da água", disse. "Além do plantio direto, temos que pensar em práticas sustentáveis, a exemplo da ILPF, que promovam a preservação das nascentes e dos solos", concluiu.

A relação entre solo e água foi enfatizada por Bojanic, sendo que iniciativas para melhorar a gestão desse último recurso devem ser valorizadas. "Há necessidade de desenvolvimento de cultivares com maior tolerância à seca, por exemplo, e a adoção de boas práticas de manejo do solo. Outro aspecto fundamental é a redução dos desperdícios na colheita, no transporte e no armazenamento de alimentos", destacou. "A relação desejada é uma produção eficiente e que promova a conservação dos recursos naturais", apontou.

Visão de futuro

Sobre o Brasil, o representante da FAO apontou necessidades, como a existência de políticas de longo prazo e compromissadas; apoio ao crescimento com inclusão social; melhoria da infraestrutura; investimento em pesquisa e desenvolvimento; articulação internacional; e tecnologias sociais e políticas para grupos vulneráveis. "O país apresenta boas experiências para serem compartilhadas. O grande desafio é produzir mais alimentos com menos recursos", afirmou. A conferência foi apresentada para um público de mais de 300 pessoas durante o Congresso Nacional de Milho e Sorgo e foi moderada pelo chefe-geral da Embrapa Milho e Sorgo Antônio Álvaro Corsetti Purcino.


Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink