Brasileiros mapeiam outra linhagem da Xylella fastidiosa
CI
Agronegócio

Brasileiros mapeiam outra linhagem da Xylella fastidiosa

Por:

Pesquisadores brasileiros concluíram o sequenciamento genético de uma linhagem da bactéria Xylella fastidiosa que causa a doença de Pierce em plantações de uva na região da Califórnia, nos Estados Unidos. Agora, o grupo está codificando cada proteína e analisando o genoma funcional da Xylella para entender como a bactéria utiliza sua informação genética.

Fruto de um convênio entre o Agronomical and Enviromental Genomes (grupo de 20 laboratórios paulistas que trabalham com pesquisa genética) e entidades norte-americanas, o projeto de sequenciamento foi coordenado pelas biólogas Mariana Cabral de Oliveira e Maria-Anne Van Sluys, do Instituto de Biociências da Universidade de São Paulo (USP) e pelo professor João Setúbal, da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).

A sequência completa da Xylella da doença de Pierce demorou dois anos para ser finalizada e teve como ponto de partida o sequenciamento genético da Xylella fastidiosa brasileira, realizado pela rede Onsa (sigla em inglês de Organziação para Sequenciamento e Análise de Nucleotídeos) da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp).

O começo do trabalho foi fácil e, segundo Mariana Cabral, em três meses 95% do sequencimento estava pronto. Outros 19 meses foram dedicados aos 5% restantes que são sempre os mais difíceis de sequenciar, pois “tivemos que preencher os buracos e montar os pedaços em ordem”, explica a bióloga, acrescentando que cada gene foi conferido por três ou quatro pessoas, para certificar que não existiam erros de interpretação.

A Xylella é transmitida por um inseto hospedeiro e pode bloquear os vasos que transportam água e sais pelo vegetal, provocando o definhamento e até mesmo a morte da planta. A bactéria tem diversas linhagens que atingem cultivos específicos como amora, laranja, café e amêndoa. No Brasil, essa variação da bactéria causa a praga do amarelinho, principal doença que atinge as plantações cítricas.

Para Mariana Cabral, as semelhanças entre as duas linhagens da Xylella podem facilitar o trabalho de pesquisa, conhecimento e controle da praga das videiras norte-americanas. “Utilizamos o mesmo método desenvolvido no estudo da Xylella causadora do amarelinho, com a vantagem de já sabermos o que funciona melhor”.

A análise dos resultados do sequenciamento ainda não terminou. Os pesquisadores estão estudando o genoma funcional da Xylella para entender como a bactéria utiliza sua formação genética. O processo é demorado, mas com ele é possível esclarecer como a bactéria interage com a planta e com o inseto, e a melhor maneira de impedir que a praga se instale no cultivo.


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink

Usamos cookies para armazenar informações sobre como você usa o site para tornar sua experiência personalizada. Leia os nossos Termos de Uso e a Privacidade.