Cadeia produtiva da citricultura discute doenças da planta

Agronegócio

Cadeia produtiva da citricultura discute doenças da planta

Produtores vão discutir as normas para erradicação do cancro cítrico e do greening
Por: -Lourenço Canuto
786 acessos

Produtores de laranja dos principais estados brasileiros estão reunidos nesta quinta-feira (11-11) no Ministério da Agricultura para discutir as normas para erradicação do cancro cítrico e do greening, doenças que causam muitas perdas nas colheitas. O presidente da Câmara Setorial da Citricultura, Marco Antônio dos Santos, afirmou que em muitos estados há produtores que resistem à retirada de pés contaminados. A exterminação dos pés afetados, segundo ele, é apontada como a melhor forma para evitar a disseminação das pragas mais perigosas para os laranjais.

A Secretaria de Agricultura de São Paulo, estado onde se concentra maior parte da produção nacional de laranja, instituiu um seguro de R$ 19 para cada pé arrancado por causa do cancro cítrico. No caso da ocorrência do greening, a indenização por pé é de R$ 4. A diferença do seguro ocorre devido à necessidade de liberar mais espaço em volta dos pés arrancados por causa do cancro cítrico. Mas o seguro não é adotado em todo o país.

O greening é transmitido por um inseto vetor. Os ramos da planta ficam amarelados, com folhas manchadas de verde-claro. Acontece a deformação, redução e queda de frutos, maturação irregular, desfolhamento e morte de ponteiros das árvores.

O cancro cítrico é causado por bactéria que provoca lesões nas folhas, frutos e ramos acarretando a queda dos frutos e folhas e a redução da produção. A bactéria é resistente e consegue sobreviver em vários ambientes por mais de 9 meses. Se o ambiente for a própria fruta, folhas ou ramo que foi retirado de uma planta contaminada, a sobrevivência do vetor é ainda maior.

A laranja é o terceiro produto agrícola que mais rende em São Paulo, depois da cana e da carne bovina. Gera 400 mil empregos e as exportações de suco da fruta rendem mais de US$ 2,16 bilhões por ano.

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink