Cadeia produtiva do arroz discute comércio no Mercosul e mercado mundial

Agronegócio

Cadeia produtiva do arroz discute comércio no Mercosul e mercado mundial

A intenção é que todas as entidades sejam fortalecidas
Por: -Janice
1340 acessos
Porto Alegre – O presidente do Instituto Rio Grandense do Arroz (Irga), Claudio Fernando Brayer Pereira, se reuniu na manhã desta terça-feira (29) com integrantes da Câmara Setorial do Arroz para discutir políticas e estratégias sobre comercialização do arroz.

Segundo o presidente do instituto, o Irga unifica os diversos elos da cadeia produtiva do arroz. “É o catalizador de diversos interesses, com unidades de propósito para alcançar objetivos e realizar ações concretas”, afirmou. A intenção é que todas as entidades sejam fortalecidas.

O presidente da Federação das Associações dos Arrozeiros do Rio Grande do Sul (Federarroz), Renato Rocha, enfatizou a importância do Governo Estadual e Federal acatar o que for decidido em reunião pelos grupos de trabalho. “A intenção do Governo do Estado de reunir os elos da cadeia produtiva é excelente. Esperamos que o Governo priorize e execute o que for decido”, destacou.

O técnico da Federação da Agricultura do Rio Grande do Sul (Farsul), o economista, Antônio da Luz, esteve representando o presidente da Comissão do Arroz da entidade, Francisco Schardong. O economista salientou que o mercado do arroz mudou, mas as discussões são sempre as mesmas. No ponto de vista do técnico, a cadeia deve se adaptar a realidade, pois não espera mudanças positivas no que se refere ao mercado do grão. O Governo tem papel fundamental no processo de saída do produto para fora da porteira. O problema não é o preço, mas sim o custo de produção que nos deixa fora do mercado”, explicou. Ele acredita que o papel do Governo é fundamental na questão conjuntural, mas questiona a questão estrutural. “O ano que vem estaremos discutindo os mesmos aspectos?”, indagou.

O dirigente do Irga concordou com o economista afirmando que a cadeia tem que dar respostas às questões técnicas. “Temos que ter propostas claras e concretas para que o Governo Estadual e Federal possam tomar atitudes”, enfatizou.

Os representantes de entidades discutiram uma série de intenções, dificuldades e demandas da cadeia produtiva do arroz. Com o objetivo de unificar os encaminhamentos, o grupo marcou reunião emergencial que será realizada na próxima sexta-feira (1º/04), às 9 horas, na sede do Irga. Na ocasião, serão apresentadas as demandas com propósito de esclarecer e buscar soluções para os principais gargalos no que se refere à comercialização do arroz no âmbito do mercado mundial e Mercosul.

Participaram da reunião o chefe de gabinete, César Marques Pereira, o economista da sessão de Política Setorial do instituto, Bruno Lanzer, o representante da secretaria da Agricultura, Pecuária e Agronegócio, Antônio Rivaldo, o vice- presidente da Regional da Costeira Interna da Federarroz, Daire Coutinho, o assessor de mercado da Federarroz, Mário Petry de Souza, o chefe executivo da Associação Brasileira das Indústrias de arroz Parboilizado (Abiap), Marco Aurélio Amaral Júnior.

As informações são da assessoria de imprensa do Instituto Rio Grandense do Arroz.

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink