Câmara Municipal de Assunção pede revogação de cidadania do “O Rei da Soja”
CI
Agronegócio

Câmara Municipal de Assunção pede revogação de cidadania do “O Rei da Soja”

Conhecido como “O Rei da Soja”, Favero é um dos maiores proprietários de terras do Paraguai, onde vive há mais de 40 anos
Por:
A Junta Municipal de Assunção aprovou, na tarde de ontem (15), uma resolução declarando o produtor de soja brasileiro Tranquilo Favero “pessoa não grata” por “denegrir o povo paraguaio”. Os conselheiros municipais também aprovaram uma segunda resolução que autoriza o poder Legislativo Municipal enviar aos ministérios das Relações Exteriores e do Interior, bem como ao Departamento Nacional de Migração, um pedido para que seja revogada a cidadania paraguaia concedida ao fazendeiro.


Conhecido como “O Rei da Soja”, Favero é um dos maiores proprietários de terras do Paraguai, onde vive há mais de 40 anos. As declarações de Favero à imprensa brasileira repercutiram no país e, segundo a vice-presidenta do Partido do Movimento ao Socialismo (P-MAS), Rocío Casco, provocaram indignação entre lideranças políticas e sociais.

No Twitter, a vereadora Karina Rodrigués anunciou que ambas as resoluções foram aprovadas por unanimidade. Para o partido de esquerda, além de denegrir a figura da mulher, o brasileiro fez apologia à violência.

Segundo a IP Paraguay, agência de notícias pública paraguaia, o P-MAS já havia divulgado, ontem (14) um comunicado repudiando as expressões sexistas e os elogios que Favero fez à ditadura do ex-presidente Alfredo Stroessner (1954-1989).

Procurada, a assessoria de Favero disse que o empresário e seus advogados estão estudando o que fazer para reverter a situação, da qual ainda não foram oficialmente comunicados, tendo tomado conhecimento por meio da imprensa paraguaia. A assessoria disse que o fazendeiro não pretende conceder novas entrevistas e não comentou o teor das declarações que motivaram a decisão da junta municipal.


A decisão foi anunciada poucos dias após os carperos (sem-terra paraguaios) darem um ultimato ao governo do presidente Fernando Lugo. Eles querem uma solução para a questão das terras ocupadas há décadas por colonos brasileiros. "As terras foram adquiridas ilegalmente e precisam ser restituídsa ao Estado", disse à Agência Brasil, Federico Ayala, um dos líderes dos carperos.

Os conflitos por terra se intensificaram nos últimos meses, quando as ocupações e cercos à propriedades de brasileiros aumentaram. Sobretudo na cidade de Ñacunday, onde ficam as terras de Favero, que os sem-terra vêm ameaçando ocupar há semanas. Em 2008, uma propriedade dele no município de Capiibary, a cerca de 350 quilômetros ao nordeste de Assunção, chegou a ser ocupada por sem-terra.


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink

Usamos cookies para armazenar informações sobre como você usa o site para tornar sua experiência personalizada. Leia os nossos Termos de Uso e a Privacidade.