Cana de açúcar é prejudicada com mudança no relatório do novo código

Agronegócio

Cana de açúcar é prejudicada com mudança no relatório do novo código

Representantes do setor estão de vigília em Brasília, acompanhando todos os processos
Por: -Janice
1039 acessos
A produção de cana de açúcar será radicalmente prejudicada por conta de mudanças realizadas no relatório do novo código florestal na última semana. O Governo Federal negociou estrategicamente a retirada dos artigos 24 e 25 do texto original para tentar colocar em votação a pauta. Entretanto, estes artigos, que já haviam sido aprovados pela comissão especial da Câmara dos Deputados, garantem a continuidade da produção de cana e outras culturas consolidadas desde 2008.


De acordo com o presidente da União Nordestina dos Produtores de Cana (Unida), Alexandre Andrade, o setor sucroenergético brasileiro, principalmente o da Região Nordeste, foi pego de surpresa. Na última segunda-feira (2), o deputado Aldo Rebelo retirou os artigos na esperança de iniciar a votação do código. Entretanto, esta exclusão inviabiliza a produção de culturas semi-perenes, dentre elas, a cana de açúcar. “A produção nordestina de cana e banana estão seriamente ameaçadas”, conta.


Com a retirada dos artigos, admite-se apenas a produção das culturas lenhosas perenes, atividades florestais e pastoreio. Porém, segundo Andrade, não existe justificativa técnica para tal medida, porque a cana de açúcar é uma gramínea como as pastagens, e tem um sistema radicular denso que evita a erosão do solo. “O Nordeste será bastante prejudicado, pois as áreas de cultivo da matéria prima do açúcar e etanol são seculares na região”, conta, ressaltando que é uma irresponsabilidade socioeconômica, a mudança da proposta aprovada na comissão especial.


“A votação do novo código florestal foi adiada para esta semana. Espero que revejam a situação”, diz Andrade. Ele destaca que está trabalhando junto à bancada dos deputados nordestinos e ruralistas para buscar o reinclusão dos artigos 24 e 25, ou a inclusão das culturas semi-perene no relatório. “Acredito que vamos resolver esta pendência, mas, de qualquer forma, já temos uma emenda pronta e assinada por três lideres de partido para encaminhá-la para votação”, adianta. Ele informa que, a partir desta segunda-feira (9), os dirigentes da Unida estão de vigília em Brasília, acompanhando todos os processos.


As informações são da assessoria de imprensa da União Nordestina dos Produtores de Cana (Unida).

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink