Carne suína: Um ano marcado por fortes acontecimentos
CI
Agronegócio

Carne suína: Um ano marcado por fortes acontecimentos

Crescimento de 4,9% da produção; estoques abaixo do normal neste final de ano
Por:
Crescimento de 4,9% da produção; estoques abaixo do normal neste final de ano

O ano de 2011 foi marcado por fortes acontecimentos, tanto positivos como negativos.

Acontecimentos positivos no mercado interno:

- Crescimento de 4,9% da produção em relação a 2010. O volume passou de 3,24 milhões t para 3,50 milhões t. Esse resultado se deve ao aumento de produtividade e do peso médio de abate. Novos investimentos foram alocados para substituir parte das estruturas consideradas obsoletas.


- Plantel de matrizes, estimado em 2,48 milhões de cabeças, cresceu 0,6%.

- Oferta para abate aumentou 5,5%, passando de 34,3 milhões de cabeças para 36,2 milhões.

- Abates sob inspeção federal (SIF) somaram 30,4 milhões de cabeças, crescimento de 4,5% em relação a 2010; abates sob outras certificações retornaram aos patamares de 2008.

- Mercado interno absorveu 84,7% da oferta em relação a 83% em 2010.

- Disponibilidade interna cresceu 6,7%, igualando-se ao potencial de consumo, estimado em 15 Kg per capita.

- Brasileiros consumiram mais 180 mil toneladas; estoques, neste final de ano, estão abaixo do normal.

- Expansão das vendas, sobretudo de industrializados (frescais, principalmente linguiças).

- O foco dos produtores centrou-se na gestão, o que explica em parte o baixo crescimento dos alojamentos de matrizes e o aumento da produtividade.


Clique na tabela para ampliar


Acontecimentos negativos no mercado interno:

Pressão da oferta gerou instabilidade dos preços em todos os segmentos da cadeia produtiva, em alguns momentos.

Custos mais altos de produção reduziram margens de comercialização.

Também houve a concorrência de carnes de aves a preços muito baixos.

Elevação dos preços internacionais dos grãos.

Prspectivas para 2012 no mercado interno:

Oferta tende a ter um crescimento moderado, no máximo 2%.

Demanda deve continuar aquecida.

Esperam-se recuperação dos preços e leve redução dos custos.

Recomposição das margens de comercialização deverá trazer retorno de rentabilidade ao setor.


Acontecimentos positivos no mercado externo:

Progresso das exportações na direção da Ásia, região que deve se tornar o principal destino para a carne suína brasileira.

Hong Kong cresceu de maneira importante como importador.

Até outubro, exportamos para Hong Kong 107,50 mil t, crescimento de 32,42% em relação a igual período de 2010. As exportações brasileiras para Hong Kong e China deverão ultrapassar, em 2012, as destinadas à Rússia, hoje ainda o principal mercado do Brasil. Os primeiros embarques de carne suína para a China ocorreram em novembro, e as vendas para Hong Kong, em outubro, já colocaram esse destino em segundo lugar. Em outubro, as vendas para o mercado russo caíram 83,77% em toneladas, ante outubro de 2010, enquanto para Hong Kong houve crescimento de 36,75%.


A China habilitou três frigoríficos em abril – unidade da Seara (grupo Marfrig) em Itapiranga (SC), unidade da BRF em Rio Verde (GO) e da Aurora em Chapecó (SC) -, que começaram a exportar em novembro. Novas habilitações deverão ocorrer em 2012.

Missão veterinária do Japão visitou o Brasil em agosto. As informações preliminares que chegam de Tóquio dão conta de que os japoneses ficaram satisfeitos, e o processo de aprovação sanitária segue seus trâmites.

Também com a Coreia do Sul, que visitou o Brasil em abril de 2010, a troca de informações entre o Ministério da Agricultura e a autoridade sanitária coreana NVQRS prosseguiu, dando continuidade ao processo de aprovação do Brasil.


Acontecimentos negativos no mercado externo:

Iniciamos janeiro com a suspensão provisória de seis frigoríficos, cinco do Rio Grande do Sul, por suposta identificação de resíduos proibidos, em continuidade a um tipo de episódio rotineiro no comércio com a Rússia. As empresas apresentaram planos de ação ao Ministério da Agricultura – MAPA, solicitando a retirada da suspensão, o que não ocorreu até hoje.


Em 1º de junho, o Brasil foi surpreendido com comunicação do Rosselkhoznadzor, suspendendo, a partir de 15 de junho, todos os estabelecimentos – 85 unidades no RS, Paraná e Mato Grosso. Esse evento afetou fortemente a exportação de carne suína, pois restaram, inicialmente, dois frigoríficos habilitados a exportar para a Rússia. Posteriormente, apenas uma unidade foi autorizada, e esta permanece até hoje exportando.


Após a vinda de missão veterinária da Rússia ao Brasil, neste final de ano, esperamos que aquele mercado seja reaberto integralmente.

ü Valorização do real, na maior parte do ano, manteve o produto brasileiro menos competitivo em relação ao dos concorrentes.


Perspectivas para 2012 no mercado externo:


A crescente abertura da Ásia às exportações de carne suína do Brasil deve representar fato relevante já em 2012, com boas perspectivas nos próximos anos.

A concorrência da União Europeia tende a persistir, sobretudo na Rússia.

Os preços médios internacionais deverão permanecer firmes devido à continuidade do crescimento da demanda na Ásia.


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink

Usamos cookies para armazenar informações sobre como você usa o site para tornar sua experiência personalizada. Leia os nossos Termos de Uso e a Privacidade.