Ceasa de Curitiba moderniza gestão e aprimorar segurança alimentar

Agronegócio

Ceasa de Curitiba moderniza gestão e aprimorar segurança alimentar

Trincheira facilitaria tráfego de caminhões que se dirigem diariamente à central atacadista
Por:
2502 acessos

A Ceasa de Curitiba, localizada no bairro do Pinheirinho, região Sul da cidade, vai passar por uma reformulação no sistema de gestão e nos processos de abastecimento para modernizar a estrutura e colocá-la como referência entre as centrais atacadistas do País. O anúncio foi feito nesta quarta-feira (18) pelo secretário estadual da Agricultura e do Abastecimento, Norberto Ortigara, durante a apresentação, pela Prefeitura, das obras de extensão da Linha Verde Sul em direção ao município de Fazenda Rio Grande, região metropolitana de Curitiba.

O prefeito de Curitiba, Luciano Ducci, apresentou o plano de obras para a região, que prevê a construção de uma trincheira nas imediações da Ceasa Curitiba, facilitando o tráfego de caminhões e caminhonetes que se dirigem diariamente à central atacadista. Segundo Ducci, com essas obras a Ceasa estará integrada ao plano de modernização e de logística da estrutura viária daquela região.

Ducci anunciou uma grande transformação viária que vai acontecer em Curitiba nos próximos anos, “com intervenções localizadas na região da Ceasa que permitirão um grande salto na região Sul e um grande avanço para a cidade”.

ESPAÇO URBANO – Para Ortigara, com as obras a Ceasa, que parecia não pertencer à cidade, ficará totalmente integrada ao espaço urbano de Curitiba. Essa nova estrutura urbana vai ao encontro dos planos da empresa de também modernizar os processos de distribuição de alimentos, disse o secretário.

Segundo ele, com a remodelação o produtor terá condições de ampliar sua participação no mercado. “Qualquer agricultor ou pecuarista que produz deve ter em mente que sua produção será vendida para o mundo”, disse Ortigara. O desafio é ampliar a presença física da Ceasa no Paraná para garantir a formação de novos polos produtores de hortifrutigranjeiros e um canal seguro e firme para distribuição de todos os produtos, acrescentou.

SEGURANÇA ALIMENTAR – Ortigara disse que para isso a direção da Ceasa está encaminhando a solução para problemas encontrados na central atacadista e assumindo compromissos como mudança de gestão, qualificação dos permissionários e segurança alimentar. “Queremos melhorar o padrão dos alimentos que vão à mesa do consumidor e para isso vamos implantar sistemas de certificação, rastreabilidade e controle de resíduos de agroquímicos nos alimentos”, afirmou.

Para complementar a segurança alimentar, o secretário disse que outro desafio na área de abastecimento é reproduzir a experiência curitibana dos armazéns da família para cidades e regiões carentes do interior. Ele disse que em sua gestão na Secretaria da Agricultura e do Abastecimento pretende dar maior atenção às famílias que mais vulneráveis à desnutrição e também à obesidade.

REQUALIFICAÇÃO – O presidente da Ceasa, Luiz Dâmaso Gusi, afirmou que a nova gestão da empresa vai adotar o controle de qualidade para conferir segurança alimentar aos produtos. “O projeto de requalificação da central atacadista prevê tornar a central atacadista referência no País, devendo seguir modelos de mercados atacadistas da Europa”, disse.

Para Gusi, a construção da trincheira sobre a Linha Verde Sul nas imediações da Ceasa vai facilitar o fluxo de veículos. Pelo local transitam diariamente 15 mil a 20 mil pessoas que precisam de segurança e rapidez, além de um fluxo de veículos de carga de dois mil caminhões e cinco mil veículos utilitários e de passeio. A Ceasa recebe produtos de 315 municípios paranaenses de 19 estados e oito países.


Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink