Agronegócio

Cepea e Faeg levantam custos da pecuária de corte em Goiás

O objetivo é calcular, por meio de painéis, os custos da atividade em 12 municípios
Por: -Christiane de Paula Rossi Carvalho
657 acessos
O Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), em parceria com a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), a Federação da Agricultura e Pecuária de Goiás (Faeg) e outras entidades, conclui esta semana o levantamento de custo de produção em pecuária de corte no estado de Goiás. O objetivo é calcular, por meio de painéis, os custos da atividade em 12 municípios (Niquelândia, Porangatu, São Miguel do Araguaia, Nova Crixás, Jussara, Goiânia, Catalão, Itarumã, Mineiros, Jataí, Rio Verde, Formosa). A iniciativa integra, ainda, o projeto Campo Futuro, desenvolvido pelo Sistema Faeg/Senar.


Painéis são reuniões, previamente agendadas, de pesquisadores com técnicos e produtores rurais de determinada região. Neste caso, o foco foi os pecuaristas de Goiás, que, juntamente de técnicos locais, preencheram planilha eletrônica preparada pelo Cepea com informações de cada item da estrutura da propriedade considerada típica (modal). Os sistemas de produção avaliados foram determinados conforme a predominância da região, podendo ser de cria, recria, engorda, ciclo completo, confinamento e integração lavoura-pecuária (estes dois últimos incluídos nos levantamentos deste ano).

Iniciados no dia 15 de setembro, os painéis no estado de Goiás estão programados para acontecer até o próximo dia 28. Os primeiros encontros, realizados em Niquelândia, dia 15, e Porangatu, dia 16, apontam para resultados em que o produtor consegue pagar o desembolso, mas não as depreciações. “A pecuária de corte de Goiás apresenta balanço econômico positivo no curto prazo, mas negativo no longo prazo. Na maioria das regiões de cria, a receita do produtor superou o Custo Operacional Efetivo (COE), que diz respeito aos desembolsos correntes. Entretanto, a renda total da atividade ficou abaixo do Custo Operacional Total (COT), que inclui as depreciações, ou seja, os recursos necessários para renovar máquinas e equipamentos, pastagens e reconstruir benfeitorias. Já quanto ao sistema de recria-engorda, nota-se que o produtor consegue pagar as depreciações quando a propriedade é maior que 1,5 mil hectares, permitindo um ganho de escala”, afirma pesquisador do Cepea, ressaltando que o cenário observado em Goiás retrata uma realidade nacional, em que se verifica dificuldade para manter a atividade da pecuária de corte sustentável no longo prazo.


As informações obtidas nos painéis são utilizadas pelo Cepea no desenvolvimento de estudos específicos e informativos, demandados pela CNA para a elaboração de políticas públicas e mercadológicas, entre outros materiais. O produtor terá, com isso, uma melhor representação classista, além de informações úteis para uma melhor gestão da atividade.

Os painéis também ampliam a quantidade de colaboradores ao Cepea. No caso das reuniões ocorridas em Goiás, pecuaristas e técnicos locais poderão participar do levantamento de preços diários da arroba do boi, vaca e bezerro realizado pelo Centro de Pesquisas. Os participantes são contemplados, ainda, com a planilha de cálculo desenvolvida durante o painel, para efetuar os próprios custos. O último Painel de Pecuária de Corte realizado em Goiás foi em 2008.


Campo Futuro

O Campo Futuro, do Sistema Faeg/Senar, é um projeto inovador na agropecuária brasileira que pretende fortalecer a rede de acesso dos produtores rurais a mecanismos de gestão de custos e riscos, além de fornecer continuamente informações estratégicas sobre o setor rural.

Com esta iniciativa, a CNA e seus parceiros pretendem capacitar produtores rurais a calcular, com metodologia adequada, os custos de produção de suas propriedades e utilizar as operações em mercado como instrumento de gestão de riscos de preços da atividade.


Para participar deste curso e ou saber mais detalhes, basta entrar em contato com o Sindicato Rural de seu município ou na sede do Sistema Faeg/Senar pelo telefone: 62-3545-2629
Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink