Certificação ajuda na redução de custo de produção de manga

Agronegócio

Certificação ajuda na redução de custo de produção de manga

Com maior controle sobre os procedimentos, empresa Bela Safra, de Petrolina (PE), conseguiu melhorar acompanhamento da produção e reduzir custos
Por:
317 acessos

Petrolina - O investimento em certificação de produto tem auxiliado na garantia de mercado e também na redução de custos de produção. Essa é a avaliação que se tem quando se entra em contato com a realidade da fruticultura no Vale do São Francisco. Na Fazenda Bela Safra, a 20 quilômetros do centro de Petrolina (PE), o trabalho é voltado principalmente para a ampliação gradativa as áreas de plantação de mangas certificadas.

Laércio Stenio, 24 anos, gerente administrativo da propriedade há três anos, conta que desde 1992 a Fazenda é voltada para o cultivo de manga. “Hoje temos 48 hectares plantados. Desses, 20 hectares são de mangas certificadas”, diz. “Estamos trabalhando para certificar mais áreas”, completa. As mangas certificas são das variedades Tommy e Haden.

Para a certificação Laércio conta que foram necessárias diversas adequações às normas. Foi modificado o espaçamento do plantio e melhorada a estrutura da propriedade, com a construção de mais banheiros e estação de preparação de agroquímicos, por exemplo. “Também tivemos que aumentar a documentação de todo o processo da cultura e ainda dos estoques”, diz. “Levamos dois anos para certificar esses primeiros 20 hectares”.

A primeira certificação saiu em 2007 e foi em Produção Integrada de Frutas (PIF) e Eurepgap, que será substituída ainda este ano por Globalgap. Nessas certificações, a empresa, que faz parte do projeto Arranjo Produtivo Local de Fruticultura Irrigada de Pernambuco, recebeu apoio do Sebrae.

Segundo Laércio, um dos motivos para a empresa querer ampliar a área certificada é porque a certificação baixou os custos de produção. Com mais controle sobre os procedimentos, houve redução no uso de agroquímicos e redução nos problemas de saúde de empregados.

Além disso, o mercado tem procurado mangas certificadas. “Muitos exportadores do Vale do São Francisco ainda só pensam no preço e não na qualidade. Mas já fechamos com exportadores que dão preferência por comprar as nossas frutas porque são certificadas. Eles já entendem que assim todo mundo ganha mais, principalmente o consumidor”, conta.

Para manter tudo organizado conforme as normas das certificadoras exigem, a empresa faz duas auditorias internas ao ano. Nelas são apontadas as não-conformidades que devem ser corrigidas pela equipe. Somente após a auditoria interna, marcam a auditoria externa para renovar a certificação.

Boa parte da produção da Fazenda Bela Safra é exportada para Europa, Estados Unidos, Japão e Canadá. Em 2007, 70% da produção foi exportada. Em 2008, foram 90%. “Neste ano, vamos depender do mercado que estiver melhor”, diz. Na semana passada, a empresa já estava colhendo as mangas do tipo Haden. Trinta caixas já estavam sendo enviadas para o mercado de São Paulo.

Em média, a empresa produz 25 toneladas por hectare ao ano. “Mas neste ano, por conta das fortes chuvas que ocorreram na região, a produção deve cair para 15 toneladas por hectare”, calcula Laércio.


Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink