Ceva Saúde Animal adquire vacinas comercializadas pela Merial

Agronegócio

Ceva Saúde Animal adquire vacinas comercializadas pela Merial

Acordo vai reforçar significativamente a posição europeia e global da Ceva, especialmente nas vacinas suínas 
Por:
1738 acessos

Acordo vai reforçar significativamente a posição europeia e global da Ceva, especialmente nas vacinas suínas 
 
A Matriz da Ceva Saúde Animal, localizada em Libourne, na França, recebeu da Comissão Europeia a aprovação para a comercialização e desenvolvimento de nove produtos, que atualmente compõem o portfólio da empresa Merial. Com essa aquisição, a Ceva irá reforçar sua crescente presença mundial com vacinas suínas, além de ampliar o desenvolvimento e opções de produtos anti-inflamatórios não esteroides.

"Com certeza é mais um momento de alegria para a nossa empresa. Já temos uma gama de produtos destinados para bovinos e suínos e com essa aquisição ampliaremos ainda mais os negócios e, consequentemente, a confiança dos nossos clientes no mundo. Ficamos honrados em receber essa aprovação”, comemorou o presidente da Ceva Brasil, Fernando De Mori.

Além dos nove itens, a Merial Saúde Animal, controlada pela Sanofi, Boehringer Ingelheim concordou em transferir os direitos de propriedade intelectual associados, o processo de fabricação e atividade de P&D para a Ceva.

Com essa aquisição, a Ceva detém os seguintes medicamentos:

• Vacina Circovac® contra o Circovírus Porcino tipo 2 (fora dos EUA)

• Vacina contra Progressis® Porcina Síndrome Respiratória e Reprodutiva (PRRS)

• Vacina Parvovax® contra Parvovirus suíno

• Vacina Parvoruvax® contra Erisipela e contra Parvovirus suíno

Essa aquisição inclui também a vacina bovina Mucosiffa® e outras quatro não esteroides anti-inflamatórios:

• Equioxx® para o cavalo (fora dos EUA)

• Genixine® para o cavalo, bovina e suína

• Ketofen® 1% injeção e comprimidos para cães e gatos (fora do Canadá)

• Ketofen® cavalo injeção 10%, bovina e suína (fora do Canadá)

“A nossa equipe está muito animada e confiante. Já estamos trabalhando e nos adaptando para receber os itens dessa transição. Acreditamos que os primeiros produtos sejam assumidos no início de 2017”, finalizou Fernando De Mori. 

 


Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink